FERNANDO GALLO, ENVIADO ESPECIAL / GOIÂNIA, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2012 | 03h06

Andressa Alves Mendonça, 30 anos, não está mais bebendo os vinhos e champanhes que adora. "Tô de promessa", contou ela ao Estado em um dos contatos telefônicos para agendamento da entrevista. Desde que o futuro marido Carlinhos Cachoeira foi preso, sua rotina de viagens e frequência nas rodas sociais de Goiânia foi substituída por visitas a presídios e a advogados, acompanhamento de processos e leitura em tempo real de notícias sobre a Operação Monte Carlo.

Assim como o contraventor, ela também perdeu peso. "Eu não durmo mais. Só choro e corro atrás das coisas do Carlinhos." Nas idas à prisão, tem falado com ele pelo interfone e o vê pelo vidro do parlatório - contato físico e visitas íntimas são proibidas. Andressa avalia que o ânimo de Cachoeira melhorou depois que foi transferido para Brasília.

Por se ocupar com as questões do marido, ela também está sem tempo para trabalhar em sua franquia de lingeries da francesa Valisère, no shopping Bougainville, em Goiânia. Agora só sua irmã aparece na loja que, aliás, continua indo muito bem - especialmente a "salinha de fetiche", espaço reservado dentro da loja com peças mais apimentadas, como algemas e chicote.

Descrita por conhecidos como elegante, simpática, linda e "uma princesa" - embora as más línguas goianas digam que em uma terra de mulheres tão bonitas ela não faz assim tanta figura -, Andressa confidencia que quer "xingar todo mundo", mas tem medo de acabar piorando a situação. "O Carlinhos não é o PC Farias, como estão dizendo por aí. Ele não é bandido, é um empresário."

Justamente por medo de falar bobagem, com a ajuda de seu advogado, Márcio Thomaz Bastos, está há mais de duas semanas em busca de uma assessoria de imprensa, para ficar mais segura nas entrevistas. As investidas nas maiores agências de comunicação de Brasília e de São Paulo fracassaram. As empresas alegam agenda cheia, receando que a imagem da mulher de um contraventor possa respingar na cartela de clientes. Enquanto isso, ela aproveita os fins de semana para passear com os dois filhos - de 6 e 4 anos. Mas amanhã as crianças viajarão com o pai, o secretário de Infraestrutura de Goiás (e suplente de Demóstenes Torres no Senado) Wilder Morais, o homem que ela largou para ficar com Cachoeira. A ser verdade que toda crise política tem uma musa, a que leva o nome do futuro marido de Andressa encontrou a sua. / COLABOROU DÉBORA BERGAMASCO

Tudo o que sabemos sobre:
CPI do Cachoeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.