Custódio Mattos vence com 51,82% em Juiz de Fora (MG)

Presidente do PSDB derrota a candidata do PT Margarida Martins, que conseguiu 48,18% dos votos válidos

da redação, estadao.com.br

26 de outubro de 2008 | 19h13

O candidato do PSDB Custódio Mattos é o novo prefeito de Juiz de Fora. Com 51,82% (148.137 votos), o presidente do partido do governador Aécio Neves derrotou a candidata do PT Margarida Martins, que conseguiu 48,18% (137.719 votos). Votos brancos somaram 1,97% (6.067)e nulos 5,01% (15.404). Com propostas semelhantes, os dois candidatos à prefeitura, que apareciam tecnicamente empatados, disputaram voto a voto a preferência dos cerca de 360 mil eleitores. Entre as principais propostas, destacam-se melhorias na saúde, no transporte público, além de transparência no governo e incentivo à participação política dos moradores.   Veja também: Geografia do voto: desempenho dos partidos no País  Cobertura completa das eleições 2008  Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos Acompanhe a apuração em tempo real Tire suas dúvidas sobre as eleições    Mattos nasceu em 3/4/1948, em Bicas/MG. Formou-se me Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora, fez Mestrado na Escola Brasileira de Administração Pública e em Ciências Sociais, na Inglaterra. Na vida política foi eleito para deputado estadual e por três vezes deputado federal. Ao defender o projeto chamado Acordo Cidadania, no qual pretende inaugurar novas formas de participação popular, ele chega à Prefeitura pela segunda vez. A primeira foi entre os anos de 1993 e 1996.   De acordo com o professor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), o cientista político Paulo Roberto Figueira, o tema da participação e da transparência são destaques da campanha dos dois candidatos devido ao episódio de corrupção envolvendo o ex-prefeito Alberto Bejani (sem partido) neste ano. Bejani chegou a ser preso pela Polícia Federal duas vezes. Ele é suspeito de desvio de verbas e de favorecer empresas de ônibus com aumento de passagens.   "Os temas que incentivam a participação dos cidadãos na política são inevitavelmente mais ressaltados à medida que você tem um conjunto de experiências de um governo que, por ser pouco transparente, permitiu aquilo tudo", avaliou o professor em referência ao escândalo, que culminou com a renúncia de Bejani e um déficit de cerca de R$ 30 milhões ao município. O vice da chapa dele, José Eduardo Araújo (PR), assumiu a prefeitura.   Para o professor Figueira, o descontentamento da população com o episódio do ex-prefeito ficou latente no primeiro turno, principalmente, com o resultado das eleições para a Câmara de Vereadores. "A legislatura que emergiu tem uma taxa de renovação significativa que, sobretudo, não tem nomes associados ao Bejani. Com expressivas votações, estão lideranças da legislatura passada que participaram das investigações de corrupção na prefeitura", disse.   O fato de a população buscar associar ao futuro prefeito à possibilidade de renovação política também pode explicar o primeiro lugar de Margarida, no primeiro turno, com 40,82% dos votos. "Por ela não ser um nome que tenha disputado eleições majoritárias, sinaliza para boa parte do eleitorado uma mudança. No segundo turno, vemos o Custódio (Mattos (PSDB)) também se associando ao tema, trocando até o slogan da campanha", disse.   Segundo as últimas pesquisas, os candidatos estão tecnicamente empatados. Defendendo o orçamento participativo e um site onde a população possa acompanhar os gastos da prefeitura, a ex-reitora da UFJF, Margarida Salomão, pretende ocupar o cargo pela primeira vez. Custódio Mattos, deputado federal, ao defender o projeto chamado Acordo Cidadania, no qual pretende inaugurar novas formas de participação popular, pode chegar à prefeitura pela segunda vez. A primeira foi entre os anos de 1993 e 1996.   (Com Agência Brasil)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.