Estadão
Estadão

Cúpula do PSDB vê dificuldades em apoiar candidaturas de Crivella ou de Freixo no Rio

Aécio Neves ponderou, no entanto, que deve consultar lideranças locais antes de tomar decisão final; PMDB do Rio decidiu ficar neutro na disputa

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2016 | 16h11

BRASÍLIA - Integrantes da cúpula nacional do PSDB afirmaram nesta terça-feira, 4, que veem dificuldades um possível anúncio de apoio aos candidatos Marcelo Crivella (PRB) ou Marcelo Freixo (PSOL) no segundo turno da disputa pela prefeitura do Rio de Janeiro.

Após o resultados das urnas, que levou Crivella e Freixo para o segundo turno da disputa na capital fluminense, os dois postulantes iniciaram a busca pelo apoio dos concorrentes que foram derrotados. Na disputa, o PSDB lançou Osório, que ficou em sexto colocado com 8,62% dos votos válidos. 

"A tendência não está muito longe do sentimento que o candidato Osório já externou. Há uma dificuldade de o PSDB em se identificar com qualquer uma das candidaturas, mas quero consultar primeiro outras lideranças locais", afirmou o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), após reunião com integrantes do partido em Brasília.

Aécio disse que na tarde desta terça iria fazer uma conferência com a participação do presidente estadual do PSDB no Rio, Otávio Leite, para só depois anunciar, a decisão. 

"Essa talvez seja a questão mais difícil para o PSDB resolver. (Não apoiar nenhum dos candidatos) é uma hipótese e acho que ela hoje é a mais predominante", afirmou o vice-presidente do PSDB e senador Tasso Jereissati (CE), que também participou do encontro dos tucanos. 

PMDB. Na reunião, alguns integrantes da legenda consideraram como "surpreendente" o fato de o PMDB não ter conseguido chegar ao segundo turno na capital fluminense. O candidato peemedebista, Pedro Paulo, ficou no terceiro lugar com 16,12% dos votos.

"Impressionante. O Rio com Copa do Mundo, Olimpíadas, isso há dois meses atrás. (O PMDB) com o governo do Estado, a prefeitura... Foram muitos erros", considerou Jereissati.  

O PMDB do Rio decidiu ficar neutro no segundo turno. A orientação dada aos filiados é que não apoiem formalmente nem o candidato do PRB, Marcelo Crivella, nem o do PSOL, Marcelo Freixo. Não haverá punição, no entanto, para aquele que se engajar em uma das duas campanhas. Pedro Paulo, que terminou atrás de Freixo, já havia declarado que não apoiaria nenhum dos dois.

O partido rejeita a pecha de o grande derrotado dessas eleições. Em nota divulgada, o diretório fluminense lembra que é o partido com o maior número de prefeitos eleitos no Estado: 19.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.