Cultura do segredo dá sobrevida à imagem da 'caixa-preta'

Análise: Felipe Recondo

O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2012 | 03h06

O Judiciário sempre foi impenetrável aos olhares externos. Não sem conflito e ainda impondo seguidas resistências, aceitou a fiscalização do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Segredos que ameaçam a publicidade de certos julgamentos que, pela Constituição, devem ser públicos. Na quinta-feira, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal cogitou julgar secretamente o habeas corpus de Carlos Cachoeira. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Cezar Peluso defendeu julgamentos fechados no CNJ quando um magistrado fosse a pessoa processada.

Os orçamentos dos tribunais são resquício da cultura do segredo que ainda permanece. O CNJ obrigou que os tribunais cumprissem regra de transparência, publicando salários de todos os servidores e detalhes de seus gastos. A regra é cumprida por alguns e driblada por outros. Se publicasse detalhadamente salários dos servidores, o Judiciário poderia ter dificuldade para obter o reajuste salarial que pleiteia há anos.

A Lei de Acesso à Informação é a promessa de uma cultura nova, mas o Judiciário resiste. Há pelo menos dois anos, provocado pelo Estado, o STF e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) recusam-se a liberar os dados de despesas específicas - todos gastos com dinheiro público.

Se a transparência exigida pela Constituição não era suficientemente explícita, a nova lei escancarou que todo cidadão tem o direito de pedir e os órgãos públicos, o dever de garantir o acesso às suas informações. As exigências da lei e o despreparo do Poder público em adotar a transparência foram considerados quando o legislador estabeleceu prazo para que os órgãos se preparassem. As respostas dos tribunais superiores aos pedidos do Estado mostram que o tempo foi pequeno para que a imagem da "caixa-preta" do Judiciário, apontada pelo ex-presidente Lula no início de seu governo, fosse apagada. O STF foi rápido ao publicar os salários de seus servidores, mas demora para revelar algumas de suas despesas secretas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.