Tiago Queiroz e Daniel Teixeira/Estadão
Tiago Queiroz e Daniel Teixeira/Estadão

Covas cresce em buscas no Google, mas Boulos ainda lidera ranking

Nas últimas 24 horas, candidato do PSDB tem alta de 121% em buscas no Google, mas seu adversário pela prefeitura de São Paulo se mantém no topo de lista de consultas

Bruno Romani, O Estado de S. Paulo

29 de novembro de 2020 | 16h58

O interesse na internet por Bruno Covas (PSDB), candidato à prefeitura de São Paulo, disparou nas últimas 24 horas. Segundo os dados mais recentes compilados pelo Google Trends,  ferramenta que indica quais os termos e assuntos mais buscados na plataforma de buscas, o candidato cresceu 121% entre 1h e 14h desde domingo, 29 - a comparação foi feita com o mesmo período no dia anterior. 

Covas registrou 62% das buscas que envolviam seu nome e o do seu adversário, Guilherme Boulos (PSOL). No mesmo período de sábado, os números se invertiam e Boulos tinha 73% das buscas a respeito dos candidatos. O Google também registrou alta de 4.900% na busca "bruno covas número" nas últimas 24 horas, marcando uma das maiores altas de termo no Estado durante o período. 

Ainda assim, o candidato do PSOL foi o mais buscado nacionalmente entre os 34 candidatos de capitais brasileiras concorrendo neste domingo, mantendo a liderança já registrada anteriormente. Boulos teve 26% das buscas e foi seguido por Bruno Covas (24%), Eduardo Paes (10%), Marcelo Crivella (7%) e Manuela d'Ávila (6%). O candidato que apresentou maior alta foi  Eduardo Paes (DEM), candidato à prefeitura do Rio de Janeiro, que teve aumento de 530% nas buscas no período entre sábado e domingo quando comparado entre quinta-feira e sexta-feira. 

Já no Recife, que tem disputa apertada, João Campos (PSB) teve aumento de 4% nas buscas, enquanto sua prima e concorrente Marília Arraes (PT) teve queda de 4%. No geral, a capital pernambucana também vê a maior divisão nas buscas pelos dois postulantes ao cargo. Campos teve 55% das consultas neste domingo, enquanto Marília tem 45%.  

É importante ressaltar, porém, que os dados do Google apontam interesse no candidato, mas não necessariamente uma intenção de voto.    

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.