José Maria Tomazela/Estadão
José Maria Tomazela/Estadão

Cordas isolam postos de votação na cidade natal de Bolsonaro

Cerca de 4.060 eleitores precisam levantar cordão de isolamento para acessar as escolas em Glicério, interior de São Paulo

José Maria Tomazela, Glicério, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2018 | 09h21

As duas escolas públicas usadas como postos de votação foram isoladas com cordas, na manhã deste domingo, na terra natal do candidato a presidente Jair Bolsonaro, do PSL, em Glicério, interior de São Paulo. Os eleitores eram obrigados a erguer a corda para adentrar as escolas "Maria Matilde" e "João Morelli da Silva", onde votam a maioria dos 4.060 eleitores. Um posto de votação menor foi instalado no distrito de Juritis, na zona rural.

De acordo com a Polícia Militar, a corda impede a passagem de veículos aos locais de votação. O isolamento não impediu que as ruas ficassem cobertas de santinhos. Às 9h, segundo estimativa dos fiscais, mais da metade dos eleitores já tinha votado. A eleição dividia o interesse dos glicerenses com o falecimento do morador Sandro José Carvalho, "marido da Sueli e pai do Pedrinho", como anunciava o alto-faltante da igreja matriz.

Bolsonaro nasceu em Glicério, mas a família se mudou da cidade para Eldorado, no Vale do Ribeira, quando ele tinha oito meses de idade. Durante a campanha, em agosto, o candidato voltou à cidade natal, após 63 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.