Conversas com padres são 'institucionais'

A equipe do pré-candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, afirma que não planeja levar à campanha temas ligados a valores e princípios ou levantados por grupos religiosos. Seus aliados alegam que as conversas realizadas com padres e pastores têm caráter "institucional" e que ouvi-los é sinal de respeito à liberdade de expressão.

O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2012 | 03h04

O time da campanha afirma que o contato com esses líderes religiosos tem peso na disputa do voto na periferia de São Paulo - onde o PSDB costuma ter seu pior desempenho contra o PT. Com esse objetivo, os tucanos começaram a se aproximar de padres que mantêm projetos sociais na zona leste da cidade.

Enquanto os petistas temem que o "kit gay" seja explorado contra Fernando Haddad, Serra diz que os candidatos têm o papel de "dizer o que pensam" sobre temas levantados pelas igrejas. "Eu acho algo extremamente saudável", declarou o tucano.

Serra também disse que não tem interesse em incluir no debate eleitoral nenhum tema ligado a costumes. Em entrevista ao Estado, em março, ele afirmou que apenas seus adversários levantam essas discussões.

"Quem não fala em outra coisa são os petistas. Parece que têm receio desse assunto e atribuem aos outros uma ação que é deles", disse. "Parece que aqueles que não têm o que dizer sobre a cidade, porque pouco a conhecem, gostam de denunciar os fantasmas que eles mesmos criam." / BRUNO BOGHOSSIAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.