DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

Convenção do PSB vai oficializar candidatura de Márcio França nesta sexta-feira

Ex-governador é o único candidato além do atual prefeito que conseguiu montar coligação e conta com PDT, SD e Avante

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2020 | 16h40
Atualizado 10 de setembro de 2020 | 21h59

O PSB paulistano vai oficializar nesta sexta-feira, dia 11, a candidatura do ex-governador do Estado de São Paulo Márcio França à Prefeitura de São Paulo. A solenidade está marcada para acontecer no Câmara Municipal da cidade, no período da manhã e terá um formato semi-presencial.

Autoridades partidárias vão discursar no local, mas o acesso ao plenário será restrito e a organização vai disponibilizar uma outra sala para que filiados possam acompanhar a transmissão do evento, além da possibilidade de se assistir de casa. Os convencionais que estiverem presentes poderão assinar a ata no local enquanto os demais poderão votar por meio de videoconferência.

Márcio França é o único pré-candidato além do atual prefeito, Bruno Covas (PSDB), que conseguiu montar uma coligação. Além de seu partido, o PSB, ele conta com o apoio de PDT – que indicou o candidato a vice-prefeito, Antonio Neto –, Solidariedade e Avante

O ex-governador esteve na tarde desta quinta-feira na sede do Solidariedade paulistano para fechar o apoio, que foi anunciado pelo presidente do presidente nacional da sigla, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, e pelo presidente municipal, Pedro Nepomuceno de Sousa Filho. O partido de origem sindical decidiu se unir ao candidato socialista depois que não conseguiu convencer a ex-prefeita Marta Suplicy, filiada desde abril, a se lançar na disputa. Em seguida, Suplicy anunciou o rompimento com o Solidariedade e o apoio Bruno Covas, mesmo sem ter lugar na chapa do tucano.

França é o candidato com o segundo maior tempo de propaganda eleitoral gratuita na TV e no Rádio em São Paulo – terá cerca de 20%. Covas, que compôs aliança com PP, DEM, PL, PSC, Podemos e Pros, terá cerca de 40% do tempo. O terceiro e o quarto maior tempo de TV ficará com PT (cujo candidato é Jilmar Tatto) e com PSL (que lançou a deputada Joice Hasselmann), que detêm as maiores bancadas federais, com 55 e 41 deputados, respectivamente. Eles terão cerca de 10% do tempo de TV.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.