Contra Haddad, Serra leva mensalão a propaganda de TV

Tucano, que é apoiado pelo PR, envolvido no escândalo, diz que STF está 'mandando pra cadeia um jeito nefasto de fazer política'

ISADORA PERON, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2012 | 03h06

Pela primeira vez o candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, mencionou o caso do julgamento do mensalão no horário eleitoral na TV. Sem citar diretamente o PT, o tucano afirmou que "não adianta dizer que faz o bem, agindo mal". "Eu falo isso porque São Paulo e o Brasil estão vendo o STF julgar o mensalão, mandando pra cadeia um jeito nefasto, maléfico de fazer política", disse o tucano.

O processo do mensalão está em julgamento no Supremo Tribunal Federal desde o início do agosto. Ex-dirigentes petistas estão entre os réus do caso, considerado o maior escândalo político do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Serra é apoiado por um dos envolvidos no esquema. Valdemar Costa Neto é deputado pelo PR, partido que faz parte da coligação do tucano na disputa municipal.

O tema mensalão já havia sido abordado indiretamente pela campanha de Serra no rádio, quando o projeto de criar o Bilhete Único Mensal proposto pelo candidato petista à Prefeitura, Fernando Haddad, foi chamado de "bilhete mensaleiro".

O candidato do PSDB costuma também falar do episódio quando está no palanque. A decisão de levar o assunto para a TV acontece num momento em que o tucano está em queda nas pesquisas e se encontra tecnicamente empatado com Haddad.

Segundo os números do último levantamento do Datafolha, divulgado na quarta-feira passada, Serra tem 21% das intenções de voto do paulistano e Haddad está com 16 pontos.

No programa de ontem, antes de falar sobre o mensalão, o candidato do PSDB se apresentou como alguém de origem humilde e destacou que trazia "arraigado" em seu caráter o "valor da honestidade". Serra disse ainda que "um país, uma cidade, se faz com projetos, com políticas públicas, obras, mas acima de tudo, se faz com honra, se faz com decência". A propaganda de Serra também outras críticas à campanha do candidato petista, ao mencionar que ele não usa "truques de computador, nem planos mirabolantes", mas que apresenta propostas viáveis.

Outros programas. Líder nas pesquisas de intenção de voto, o candidato Celso Russomanno (PRB) usou o tempo ontem na TV para agradecer, mais uma vez, a confiança dos eleitores. "É possível sim (a vitória), está em nossa mãos", narrou o locutor.

O programa de Haddad voltou a tratar de habitação. Além de prometer trabalhar para regularizar a situação dos terrenos, o petista disse que iria trazer para São Paulo mais investimentos do programa federal "Minha Casa, Minha Vida", defendido no vídeo pelo ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva.

Gabriel Chalita, do PMDB, falou sobre educação e apresentou propostas para aumentar o número de creches na cidade.

Rádio. Nos programas de rádio, PT e PSDB ressaltaram a comemoração do Dia da Independência do Brasil. Haddad abriu seu programa de rádio com Lula celebrando a data. "Viva a independência", disse o ex-presidente. No restante do programa, Haddad voltou a explicar seu projeto batizado de Arco do Futuro, que pretende descentralizar a cidade. Serra também comemorou o Sete de Setembro, ressaltando seu histórico de líder estudantil e perseguido político na ditadura militar. "Liberdade é importante e disso o Serra entende", disse o narrador. / COLABOROU GUILHERME WALTENBERG

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.