Construiremos política nacional de segurança, diz Aécio

Segundo o presidenciável, a omissão do governo federal em relação ao tema "chega a ser criminosa". "Nós vamos construir no Brasil uma política nacional de segurança pública, solidária com os Estados, com planejamento, investindo em inteligência. E proibindo que recursos para essa área sejam contingenciados", disse o tucano.

Isadora Peron e José Roberto Castro, Agência Estado

19 de julho de 2014 | 13h32

Em visita a uma das regiões mais violentas da capital paulista, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, prometeu fazer um plano nacional de segurança e reformar o código penal. Ao lado do governador Geraldo Alckmin (PSDB), Aécio caminhou neste sábado, 19, por ruas do M''Boi Mirim, na zona sul de São Paulo.

Ele também prometeu "liderar uma profunda e rápida reforma do código penal e do código de processo penal para inibir o sentimento de impunidade que está espalhado por todo o Brasil".

Hoje, de acordo com a Constituição, os investimentos em segurança pública são um dever dos Estados, não da União.

Ao lado de Alckmin, Aécio afirmou que se não fosse a gestão do tucano, "São Paulo teria problemas ainda mais graves".

Palanque duplo

Ao ser questionado sobre o fato de o vice de Alckmin, Márcio França (PSB-SP), ser do partido de Eduardo Campos e fazer campanha para o adversário em São Paulo, Aécio disse que essa situação é natural e agradeceu o PSB paulista pelo apoio à administração de Alckmin. "O fundamental é termos o apoio do governador Geraldo Alckmin com a clareza e o entusiasmo que ele tem demonstrado", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesSão PauloAéciopsdb

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.