Consórcio PSB-PSDB vence em Campinas

Jonas Donizette derrotou o petista Márcio Pochmann, apoiado por Lula e Dilma

O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2012 | 03h07

O deputado federal Jonas Donizette (PSB) foi eleito prefeito de Campinas - a 3.ª maior cidade paulista - com 57,69% dos votos válidos (315.484). O adversário, Márcio Pochmann (PT), indicado pessoalmente pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, teve 42,31% (231.420 votos).

Seu desafio será administrar dívida de R$ 1,2 bilhão, colocar serviços e obras em dia e pôr fim à crise administrativa turbinada por escândalos de corrupção que terminaram com dois prefeitos cassados em 2011 - Hélio de Oliveira Santos (PDT) e Demétrio Villagra (PT). "A primeira tarefa será resgatar a credibilidade da política. Vamos fazer um governo austero", afirmou Jonas.

Do ponto de vista político, a prefeitura de Campinas, que tem o terceiro maior orçamento do Estado (R$ 3,2 bilhões), vai virar vitrine para o PSB.

Já o PT considera que, mesmo perdendo, o desempenho de Pochmann foi um sucesso. "Não me sinto derrotado. Começamos a campanha com 1%. E hoje superamos os 40%. Estamos fortalecidos", disse ele.

Em Taubaté, Ortiz Júnior (PSDB) foi eleito com 62,92% dos votos válidos. Apoiado pelo governador Geraldo Alckmin, ele é filho do presidente afastado da Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE), José Bernardo Ortiz, e vai governar a cidade com maioria na Câmara - 11 dos 19 vereadores eleitos são da bancada tucana. Mesmo tendo Lula como cabo eleitoral, o petista Isaac do Carmo ficou com 37,08% dos votos válidos.

Nesta semana, a Justiça manteve o bloqueio dos bens da família Ortiz e o afastamento de José Bernardo da presidência da FDE. Pai e filho são investigados pelo Ministério Público por corrupção em licitações - Ortiz Júnior receberia 5% do valor dos contratos para fornecimento de mochilas ao Estado.

"Ele (José Bernardo) é minha referência do ponto de vista da moral, da coerência, do trabalho", comentou o filho.

Reduto. Em Sorocaba, venceu Antonio Carlos Pannunzio (PSDB), de 69 anos. De volta à prefeitura após 20 anos - já havia governado de 1989 a 1992 -, o tucano derrotou o candidato do PMDB, Renato Amary, por apenas 6.609 votos (51,04% a 48,96%).

Com isso, Sorocaba virou um dos principais redutos tucanos no Estado. Com 593,7 mil habitantes e R$ 1,8 bilhão de orçamento em 2013, é administrada pelo PSDB desde 1997 - o adversário de Pannunzio foi prefeito por oito anos quando ainda estava no partido, trocado depois pelo PMDB.

Em Ribeirão Preto, a prefeita Dárcy Vera (PSD), de 45 anos, foi reeleita com diferença menor que a esperada. Venceu com 155.265 votos (51,97%). Duarte Nogueira Júnior (PSDB) obteve 143.516 votos (48,03%). Já Alexandre Ferreira (PSDB) foi eleito prefeito de Franca, com 95.267 votos (57,98%). Bateu Graciela de Lourdes David Ambrósio (PP), que teve 69.054 votos (42,02%). / RICARDO BRANDT, JOSÉ MARIA TOMAZELA, GERSON MONTEIRO e RENE MOREIRA, ESPECIAIS PARA O ESTADO

INTERIOR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.