Consórcio não se manifesta; citados negam ilegalidades

O engenheiro Nelson Scaglioni reagiu com veemência. "Não tenho empresa de construção, nunca construí nada. Nunca vendi sucata. Eu não estou mais na área de manutenção do Metrô desde 2007. A venda (de sucata) é feita pela área comercial e segue normas rígidas. Tenho uma vida dedicada com profissionalismo ao Metrô, são 40 anos na companhia. Não sou sócio oculto da MGE." Seu advogado, Guilheme Madi, alertou que o contador da Corregedoria da Administração atestou que o patrimônio de Scaglioni é rigorosamente compatível com seus rendimentos. "Revoltante que denúncias sem nenhum sentido e descabidas mereçam apuração." Décio Tambelli se disse abismado. "Estou à disposição da promotoria e da CGA." A Secretaria dos Transportes Metropolitanos informou que colabora com as investigações. Sérgio Brasil não foi localizado. A Via 4 não quis se manifestar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.