Compra de voto faz TRE-MT vetar saque acima de R$ 5 mil

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) proibiu, a partir de hoje em todo o Estado, saques bancários acima de R$ 5 mil de candidatos, partidos políticos, coligações e pessoas que tenham ligação com as legendas até o dia 26 de outubro, dia do segundo turno da eleição. Até mesmo cidadãos comuns podem ter o saque negado se não conseguirem comprovar que o dinheiro não será destinado para beneficiar algum candidato. A medida busca coibir a prática de compra de votos. O TRE afirmou que tem recebido inúmeras denúncias de que o crime eleitoral vem sendo praticado na capital mato-grossense.Segundo o juiz auxiliar da presidência do TRE, Rodrigo Curvo, a resolução nº 604/2008 foi baixada para que cumpram a determinação da Justiça Eleitoral. "O cidadão que não conseguir comprovar para que se destina o saque no valor acima de cinco mil reais poderá também ter o serviço negado pelo banco", afirmou o magistrado.Curvo disse ainda que as transportadoras de valores deverão informar ao TRE sobre o transporte de dinheiro em quantias acima de R$ 5 mil. As empresas deverão fornecer os dados sobre quem fez o saque, quanto foi transportado, a origem e o destino dos valores. A medida quer coibir a compra de votos, que vem sendo denunciada como prática pelos dois candidatos a prefeito de Cuiabá, Wilson Santos (PSDB) e Mauro Mendes (PR). "Também temos recebido diversas denúncias desse crime eleitoral através das Zonas Eleitorais e da Ouvidoria do TRE e a resolução é uma medida para impedir o crime", disse Curvo.Cabos eleitoraisO pagamento aos cabos eleitorais também foi proibido de ser efetuado amanhã e no domingo. O juiz destacou que a resolução não visa somente os trabalhadores, como também colaboradores, coordenadores e demais auxiliares de campanha. "Os pagamentos nesse caso, só poderão ser feitos a partir da próxima segunda-feira, pois estão terminantemente proibidos de serem feitos na véspera e no dia da eleição, ou seja, sábado e domingo próximos", afirmou o magistrado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.