Comissão ouve depoimentos a partir de terça

Após uma semana de recesso, a CPI do Cachoeira vai fazer uma maratona de nove depoimentos a partir da próxima terça-feira. A proposta é centrar as investigações em integrantes do esquema do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, ligados aos governadores de Goiás, o tucano Marconi Perillo, e do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiroz. Os dois governadores estiveram na CPI há uma semana e negaram qualquer envolvimento com Cachoeira.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

21 Junho 2012 | 03h02

Os primeiros depoimentos devem tratar da venda de um imóvel de luxo em Goiânia, que era de propriedade do governador. Foi nessa casa que Cachoeira acabou preso, em fevereiro, pela Polícia Federal. Marconi alega que vendeu o imóvel para o empresário Walter Paulo Santiago. Um dos intermediários da venda foi Lúcio Fiúza Gouthier, ex-assessor de Perillo, que será ouvido na terça-feira. No mesmo dia, os integrantes da CPI também pretendem tomar o depoimento de Écio Antonio Ribeiro, um dos sócios da empresa Mestra Administração e Participações, em nome da qual a casa foi registrada num cartório em Trindade (GO). Também prestará depoimento na terça Alexandre Milhomen, arquiteto que trabalhou na reforma da residência. / EUGÊNIA LOPES

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.