Comissão da Verdade cria site para divulgar suas atividades

Mas entidade avisa que a tomada de depoimentos continuará sigilosa quando for uma condição pedida pelos depoentes

ROLDÃO ARRUDA, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2012 | 03h04

A Comissão Nacional da Verdade anunciou a criação de um site para divulgar suas atividades. Uma versão provisória deve ir ao ar dentro de dez dias. "O objetivo é oferecer uma visão detalhada de tudo o que estamos fazendo", explicou a advogada Rosa Maria da Cunha, uma das sete integrantes da comissão.

Ainda segundo a advogada, a preocupação com a divulgação e a transparência nas atividades não impedirá a comissão de prosseguir com as sessões sigilosas para ouvir depoimentos. "Nós estamos procurando saber a verdade sobre a história do período da ditadura", observou. "Se alguém sabe de fatos importantes e deseja falar sigilosamente, vamos ouvir e respeitar o sigilo. Faz parte do trabalho de investigação."

Se o depoente não pedir sigilo, suas declarações serão postas à disposição dos interessados, segundo Rosa Maria. Nos próximos dias a comissão passará a contar também com uma assessoria de imprensa, para facilitar o acesso de jornalistas às ações em andamento.

Na segunda-feira, o Estado divulgou reclamações de representantes de entidades de direitos humanos contra o sigilo em torno de depoimentos ouvidos na comissão. "Só fazemos isso quando as pessoas pedem e nós temos interesse em ouvi-las. Quando não se opõem à exposição pública, não temos razão para manter sigilo", observou.

Nos próximos dias os integrantes da comissão vão se reunir com representantes de comitês da memória e da verdade de todo o País, que funcionam desde a década de 1980 e são integrados principalmente por ex-presos políticos e familiares de mortos e desaparecidos.

"São grupos estruturados e bem articulados, que já trabalharam intensamente na recuperação da história. Queremos conhecer seu trabalho, para poder ir além", disse Rosa Maria. Na segunda-feira a comissão vai analisar a questão dos depoimentos de jornalistas e historiadores que reuniram documentos sobre a ditadura.

Barrados. Integrantes da Comissão da Verdade foram impedidos ontem de entrar no Arquivo Nacional, em Brasília, por um grupo de servidores em greve.

Os funcionários pedem um plano de carreira e mudanças na gestão da entidade. No fim da tarde, os grevistas decidiram, em assembleia, autorizar a entrada do grupo nesta sexta-feira. Eles vão analisar documentos repassados ao Arquivo nas últimas semanas. / COLABOROU LEONENCIO NOSSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.