Com PT e PSDB já em campanha, Campos começa a montar palanques

Sucessão 2014. Governador de Pernambuco e presidente do PSB, possível candidato à Presidência no próximo ano, convidou a ex-presidente do Conselho Nacional de Justiça Eliana Calmon para disputar governo da Bahia; partido quer lançar até 12 governadores

JOÃO DOMINGOS, FELIPE RECONDO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2013 | 02h11

O governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, apressou a montagem de palanques estaduais para dar sustentação a uma possível candidatura dele à Presidência da República em 2014. Um emissário de Campos procurou Eliana Calmon, ex-corregedora nacional de Justiça e ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e propôs o ingresso dela no PSB, com duas alternativas: disputar o governo da Bahia ou uma cadeira do Senado.

A Bahia é o quarto colégio eleitoral do País, atrás de São Paulo, Minas e Rio, com 10,1 milhões de eleitores. Lá Dilma Rousseff obteve 70% dos votos na eleição de 2010. Eliana Calmon não deu ainda uma resposta, mas aliados da ministra admitem, nos bastidores, que ela está tentada a aceitar a oferta. Quando corregedora, Calmon negou a intenção de concorrer a algum mandato.

Caso obtenha êxito no eleitorado baiano, Campos poderá medir forças com o governador Jaques Wagner (PT), que saiu da eleição municipal chamuscado pela derrota para ACM Neto na capital, Salvador. Wagner sonha em ser candidato à Presidência em 2018, ano em que Eduardo Campos certamente o será, independentemente dos passos que o pernambucano dê em 2014.

De acordo com a avaliação de Eduardo Campos, verbalizada por seu emissário, Eliana Calmon poderia ser uma alternativa pós-carlismo e pós-PT na Bahia. Ela chegou ao STJ apadrinhada pelo então senador Antonio Carlos Magalhães (DEM) e é amiga pessoal de Jaques Wagner. Mas alçou voo próprio e notoriedade com um discurso anticorrupção quando comandou o CNJ. Ela usou os termos "bandidos de toga" e "vagabundos" ao referir-se a colegas magistrados suspeitos de corrupção.

O PSB nacional aposta no espaço para o surgimento de um novo nome na Bahia, uma espécie de surpresa capaz de agradar a uma gama distinta de eleitores baianos e dar força ao partido no Nordeste numa eventual disputa com o PT.

A ideia do PSB é lançar os seis governadores à reeleição e número igual ou maior de candidatos viáveis em outros Estados em 2014.

Força política. Ausente na festa de comemoração dos 33 anos do PT e dez à frente do governo federal, realizada anteontem, em São Paulo, Campos tem aproveitado todo o tempo de que dispõe para trabalhar o fortalecimento do PSB, o partido que mais cresceu nas eleições para prefeito.

Na festa petista, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou a candidatura da presidente Dilma Rousseff à reeleição. Cobrado por Dilma há pouco mais de um mês sobre o apoio à sua reeleição, Campos respondeu que preferia não discutir ainda a sucessão de 2014. Mas prometeu fidelidade do PSB a Dilma ao longo deste ano.

Palanques. A movimentação do presidente do PSB é intensa. Por ora candidato ao Senado, o líder do partido na Câmara, Beto Albuquerque, pode ser levado a concorrer ao governo do Rio Grande do Sul em nome do projeto nacional.

Campos já conversou também com o senador Pedro Taques (PDT) sobre uma possível candidatura ao governo de Mato Grosso no ano que vem, em dobradinha com o PSB. Há ainda a possibilidade de o PSB apoiar José Riva, do PSD de Gilberto Kassab, se Taques recusar o acordo.

Em Brasília, o partido do governador de Pernambuco já rompeu a aliança com o PT. Com isso, o senador Rodrigo Rollemberg (PSB) deverá ser candidato à sucessão do governador Agnelo Queiroz (PT). E, assim como acontece no Mato Grosso, o PSB quer atrair o PDT para a sua aliança. A ideia já discutida entre Rollemberg e Campos é oferecer a vaga de senador para José Antonio Reguffe, o deputado mais votado do Distrito Federal. A ex-ministra Marina Silva também já fez acenos a Reguffe, mas a tendência dele é ficar ao lado de Rollemberg e de Eduardo Campos.

Rio e São Paulo. Se em São Paulo o PSB ainda não tem uma clara noção das alianças que fará, no Rio Eduardo Campos se move, neste momento, em direção ao senador Lindbergh Farias, do PT. Mas esse apoio só ocorreria se Campos desistir de disputar a eleição em 2014, adiando suas pretensões para 2018. Aí, segundo os socialistas, ele poderia contar com a ajuda de Lindbergh para ser o cabeça de chapa no lugar de um petista, o que já vem sendo defendido por Lula, pelo governador de Sergipe, Marcelo Déda, e pelo ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência).

Déda acha que o PT deve procurar Campos para saber dele o que de fato pretende e propor, francamente, que ele deixe de lado as pretensões relativas a 2014 e se dedique a 2018. Se a conversa com Campos não for favorável, o próprio Déda poderá disputar o governo de Sergipe com o senador Antonio Carlos Valadares (PSB). Próximo de Campos, Valadares será candidato se o presidente do PSB decidir concorrer à Presidência em 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.