Com nota, PDT tenta esfriar clima tenso com Planalto

Em reunião com as centrais sindicais, ontem, a presidente Dilma Rousseff recebeu nota assinada pelo presidente do PDT, Carlos Lupi, negando que vete qualquer nome do partido para ocupar o Ministério do Trabalho. A nota, publicada no site do PDT, foi impressa e entregue a Dilma pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho. "Acho que ela gostou", arriscou Carvalho, em conversa com o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho, presidente da Força Sindical. Dilma abriu um sorriso quando leu o texto, mas nada disse.

O Estado de S.Paulo

15 de março de 2012 | 03h06

Apesar de ser desafeto do deputado Brizola Neto - cotado para assumir o Trabalho -, Lupi foi pressionado a produzir a nota. Integrantes do PDT deram-lhe um ultimato: disseram que ou ele declarava apoio ao deputado ou o partido perderia o ministério para o PTB. A indicação de Brizola Neto é apoiada pelas centrais sindicais. Dilma gosta do deputado, mas ficou irritada com a notícia dando conta de que a ida dele para o ministério é um fato consumado e decidiu por o assunto em banho-maria. Nessa operação, o Planalto também tenta atrair o PDT para a campanha do pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad. / VERA ROSA e TÂNIA MONTEIRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.