Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Com ‘lacração’ à direita, Mamãe Falei incendiou redes tentando fazer engajamento virar voto

Arthur do Val (Patriota) foi mais ‘Mamãe Falei’ do que nunca durante campanha a prefeito de São Paulo e colocou MBL na vitrine para 2022

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2020 | 05h00

Seu filho provavelmente conhece Arthur do Val, o “Mamãe Falei” (e talvez até tenha tentado te convencer a votar nele). Quem acompanhou pelas redes sociais os debates e entrevistas com candidatos a prefeito de São Paulo não pôde deixar de reparar, nos formulários de comentários, a presença massiva de apoiadores do candidato do Patriota. Esse é o principal trunfo, mas também o maior desafio do deputado estadual, youtuber e empresário em sua primeira disputa pelo Executivo: há engajamento entre seus fãs, mas como transformar isso em voto?

A campanha fez apostas. A primeira delas partia da análise de que o candidato precisava de um reposicionamento de sua imagem pública. A postura provocativa e bélica de militante do MBL que o tornou conhecido não condizia com o que se espera de um candidato a prefeito, na avaliação de sua equipe. Ele precisava transmitir seriedade. Daí veio a ideia de usar só “Arthur do Val” na urna, e não o “Mamãe Falei” de seu canal no YouTube. Duas semanas de campanha depois, porém, veio a percepção de que a aposta foi um erro. “Foi um problema. As pessoas conheciam o ‘Mamãe Falei’, não o Arthur”, diz Rubinho Nunes, advogado do candidato. E então seu codinome das redes passou a ser sua marca de campanha.

Com esta identidade recuperada, foi como se Arthur tivesse sido autorizado a realmente começar a campanha: e então “Mamãe Falei” foi mais “Mamãe Falei” do que nunca. Arthur ganhou holofotes nos confrontos. Atirou para todos os lados. Procurou rivalizar sobretudo com a esquerda, tendo Guilherme Boulos (PSOL) como seu alvo favorito, mas também protagonizou embates com Orlando Silva (PCdoB) e Jilmar Tatto (PT). 

A campanha de Arthur bem que tentou conciliar os ataques aos adversários sempre com um contraponto propositivo, mas nas redes o resultado nunca foi diferente: o que fez sucesso não foi a “Escola 360” ou o “Plano Locomotiva”, por exemplo, mas sim as “jantadas” de Arthur, expressão que seus fãs gostam de usar quando acham que o candidato mandou bem em algum embate. Não difere muita coisa das “mitadas” bolsonaristas ou das “lacradas”, mais associadas à esquerda. Só não diga isso aos apoiadores de Arthur. 

“Mamãe Falei” tentou se mostrar diferente de tudo e de todos. Deixou claro que, apesar dos votos de confiança no passado, agora é um opositor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do governador João Doria (PSDB). Nisso, arranjou briga também com outros candidatos da direita, como Joice Hasselmann (PSL), que o mandou “lavar a boca”, e Celso Russomanno (Republicanos) que, no debate do Estadão, mandou Arthur “enfiar a cabeça embaixo do rabo” - sem dar detalhes de como seria isso. Sorte nossa.

Ainda que as pesquisas mais recentes indiquem uma possibilidade pequena de que Arthur chegue ao 2.º turno - ele aparecia com 7% no levantamento de ontem do Ibope/Estadão/TV Globo -, sua candidatura já é celebrada pelo MBL. A disputa pela Prefeitura foi a vitrine que o movimento buscava para começar a se preparar para disputas maiores: uma ala do grupo defende que o MBL tenha representantes nas disputas pelo governo do Estado e pela Presidência em 2022. “Vamos ver uma direita independente do bolsonarismo”, explica o deputado federal Kim Kataguiri (DEM), braço direito de Arthur na campanha. 

O canal de Arthur no YouTube tem hoje 2,7 milhões de inscritos. Mais de 90% dos que assistem aos vídeos são do sexo masculino e quase 70% têm entre 18 e 34 anos. Apesar de a militância online de Arthur estar distribuída por todo o País e, portanto, não representar apenas potenciais eleitores paulistanos, coordenadores da campanha apostaram no barulho do engajamento. “A audiência do Arthur é nacional, mas vimos uma capacidade grande de mobilização espontânea”, diz Rubinho.

Para Kim, Arthur deu atenção a grupos que não costumavam ter direcionamento político, como os gamers, e preencheu o espaço vago de uma candidatura competitiva de direita na cidade. “Não teve um candidato forte verdadeiramente direitista. É um eleitorado que ficou órfão. A gente não sabia que esse vácuo iria existir.

QUEM SÃO

Arthur do Val (Patriota)

Candidato a prefeito

Nascido em 21 de agosto de 1986, estudou Engenharia Química. É empresário dos ramos de reciclagem, combustível e construção civil. Foi eleito deputado estadual em 2018

Adelaide Oliveira (Patriota)

Candidata a vice-prefeita

Nascida em 5 de novembro de 1960, é formada em Letras, com pós em Ciências Econômicas. Foi porta-voz do Vem Pra Rua e participa pela primeira vez de uma eleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.