Com doença do ex-presidente, PT espera maior unidade do partido

Surpreendidos pela descoberta do tumor na laringe do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, petistas falam do aumento da unidade do partido como consequência da notícia. A primeira avaliação considera que, se Lula já tinha o comando político da sigla, a tendência é de maior entendimento em torno dele.

DENISE MADUEÑO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2011 | 03h05

"Ninguém vai querer trombar com Lula", resumiu um petista. Isso vale para São Paulo, onde o ex-presidente patrocina a pré-candidatura do ministro da Educação, Fernando Haddad, para a Prefeitura no próximo ano e para outras disputas locais.

"Será mais difícil dizer não a Lula", considerou um petista paulista, que dá como certa escolha de Haddad como candidato. A explicação de um petista é que, além da solidariedade, a legenda vai se unir em torno de Lula para que ele se recupere.

Articuladores do PT, de outros partidos governistas e da oposição concordam que é cedo para avaliar de que forma a doença de Lula afetará as eleições do próximo ano e, mais distante, as de 2014, e que esse impacto dependerá da gravidade da doença e do resultado do tratamento.

Tanto governistas quanto integrantes da oposição consideram que a popularidade de Lula poderá aumentar durante o tratamento. "Se na campanha ele estiver 100%, essa superação o transformará em um mito. Ele será endeusado", afirmou um deputado do PMDB. Setores da oposição consideram que o PT sairá fortalecido das eleições se Lula tiver condições de rodar o País em campanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.