Com Dirceu no palanque, PT referenda Haddad

Ex-chefe da Casa Civil, que guardava distância da pré-campanha, surgiu, mas Marta Suplicy faltou e frustrou expectativas; slogan e jingle foram apresentados

FERNANDO GALLO, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2012 | 03h03

Com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro José Dirceu no palanque, mas sem a presença da senadora Marta Suplicy, o PT homologou ontem a pré-candidatura de Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo.

O encontro municipal de delegados que referendou o ex-ministro da Educação como candidato foi marcado por ataques ao candidato do PSDB, José Serra (leia matéria na página ao lado).

Os petistas contavam com a presença de Marta e o nome dela chegou a ser anunciado pelos apresentadores na composição do palanque, mas ela não apareceu. O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) até confirmou que ela estava prestes a chegar, o que porém não ocorreu.

Sem Marta, Dirceu dominou a cena. Compôs a mesa de autoridades e fez questão de se dirigir ao centro da mesa para cumprimentar Lula e Haddad. Até ontem, Dirceu guardava distância da campanha, e o núcleo haddadista preferia que assim fosse.

O ex-ministro da Casa Civil foi saudado pelo presidente nacional do PT, Rui Falcão, que cumprimentou em seu discurso três ex-presidentes do partido que estavam presentes - além de Dirceu, o deputado federal Ricardo Berzoini e o ex-deputado José Genoino, que também esteve no palanque, mas se manteve discreto, à distância da mesa. Genoino e Dirceu são réus no Supremo Tribunal Federal (STF) no processo do mensalão, que deve ser julgado ainda este ano.

O Estado não conseguiu contato com Marta ou sua assessoriaa. Sem a presença da senadora, Haddad modificou um trecho do discurso, no qual se indagava sobre "o que significa ser apoiado por Marta Suplicy?" por "o que significa ser apoiado por ausentes e presentes que participaram da administração da prefeita Marta Suplicy?"

Apesar da ausência, ele chamou a senadora de "gloriosa prefeita". Porém, não deixou de lamentar ao final. "Não sei porque ela não veio, mas ela sempre faz falta." A presidente Dilma Rousseff também não compareceu.

Slogan. Com a presença do marqueteiro João Santana, que atentamente observava o candidato - imagens e falas do evento de ontem devem ser usadas na propaganda de TV e no rádio - a campanha de Haddad apresentou o slogan que deve ser usado na eleição.

A música reforça a estratégia do PT de tentar forçar o mote da renovação na capital paulista: "O homem novo para um tempo novo". O refrão do jingle veiculado ontem diversas vezes no evento segue o mesmo tom: "Haddad, um homem novo pra essa cidade; Haddad, um tempo novo pra essa cidade", diz a letra. /COLABOROU DAIENE CARDOSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.