Nilson Bastian/Câmara dos Deputados
Nilson Bastian/Câmara dos Deputados

Com auxílio de Alckmin, DEM convence PSDB a aceitar PSC em chapa oposicionista na Bahia

Cúpula do PSDB da Bahia vinha resistindo à presença de Lázaro na composição para as eleições de 2018

Yuri Silva, O Estado de S.Paulo

30 Julho 2018 | 18h02

SALVADOR - Após semanas de discussões e a interferência direta do presidente do PSDB e pré-candidato à Presidência, Geraldo Alckmin, o DEM da Bahia fechou acordo nesta segunda-feira, 30, para oferecer ao deputado federal Irmão Lázaro (PSC) a segunda vaga para candidato ao Senado na chapa do candidato ao governo, José Ronaldo (DEM) - a primeira já estava garantida ao também deputado federal tucano Jutahy Magalhães. O anúncio foi oficial do desenho da aliança para as eleições 2018 deve acontecer entre a noite desta segunda-feira e a manhã de terça.

A cúpula do PSDB da Bahia vinha resistindo à presença de Lázaro na composição. O temos dos tucanos era que o parlamentar, que é ligado à igreja neopentecostal Assembleia de Deus e em 2014 foi terceiro mais votado do Estado, "roube" votos de Jutahy.

A mudança de posição, contudo, aconteceu após o presidente do PSDB baiano, João Gualberto, se encontrar com Alckmin em Brasília nesta semana. Interlocutores do tucano disseram que o presidenciável pediu empenho de Gualberto para resolver a situação, a fim de agradar o DEM como contrapartida ao apoio que recebeu do partido na corrida presidencial. 

No esforço para convencer o PSDB a abrir espaço ao PSC na principal chapa de oposição ao governador Rui Costa (PT), Alckmin foi contatado diretamente pelo próprio José Ronaldo e pelo prefeito de Salvador, ACM Neto, presidente nacional do DEM. Ambos pediram auxílio ao pré-candidato do PSDB para convencer Jutahy a aceitar a presença de Lázaro na aliança.

Além de Irmão Lázaro e Jutahy como postulantes ao Senado e do pré-candidato ao governo da Bahia José Ronaldo, a chapa contará com uma mulher na vaga de vice. O nome deve ser indicado por PV, PRB ou PTB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.