Com apoio do PSDB, 'kassabmania' teria vencido no 1º turno

Essa é a opnião do tucano Walter Feldman, segundo quem o partido deveria ter fechado antes com o prefeito

Carolina Freitas, da Agência Estado

07 de outubro de 2008 | 16h56

Porta-voz dos dissidentes do PSDB que apóiam o prefeito  Gilberto Kassab , do DEM, o secretário municipal de Esportes, Walter Feldman, disse nesta terça-feira, 7,  que se o reforço tucano tivesse chegado mais cedo, Kassab teria ganho as eleições no 1º turno. "A 'kassabmania' foi tão grande que, se tivesse tido um impulso adicional, Kassab ganharia no 1º turno", afirmou Feldman à Agência Estado. "Se tivéssemos apoiado o Kassab desde o início, teríamos ganho. Os números mostram isso."   Veja Também: Confira o resultado eleitoral nas capitais do País As principais promessas dos candidatos Enquete: O resultado das eleições surpreendeu?   Especial: Perfil dos candidatos em São Paulo  Galeria de fotos dos candidatos à Prefeitura   Vereador digital: Depoimentos e perfis de candidatos em São Paulo   Tire suas dúvidas sobre as eleições   O PSDB referendou na tarde dessa terça-feira apoio à candidatura do democrata, depois da derrota do candidato tucano Geraldo Alckmin nas urnas no último domingo. Para Feldman, o único empecilho a superar agora são os ressentimentos de alckmistas. "Há manifestações ressentidas", disse. "Mas as vozes resistentes expressam muito mais um sentimento do que uma interpretação política dos fatos."   Feldman associou a recusa do PSDB em relação à candidatura de Kassab no 1º turno a idéia de que tucanos precisam sempre ter "a cabeça do processo". "O PSDB desenvolveu a idéia de que os partidos coligados são coadjuvantes. Essa eleição mostrou que um partido coligado pode ser o titular."   Para o secretário essa autocrítica é fundamental para que o partido chegue unido às eleições presidenciais de 2010. "Em vez de debater punição ou absolvição de dissidentes, a gente deve fazer uma reflexão autocrítica."

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2008Gilberto Kassab

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.