Com apoio de Lula, Luiz Marinho leva PT de volta ao poder

Vitória de Marinho tem importância significativa para PT, já que o partido não vence na cidade há 16 anos

Da Redação,

26 de outubro de 2008 | 20h33

O candidato Luiz Marinho, do PT, venceu a disputa pela Prefeitura de São Bernardo do Campo, em São Paulo, com 58,19%. Orlando Morando (PSDB), que também estava na corrida, ficou com 41,81% dos votos, segundo o Tribunal Superior Eleitoral. Votos em branco somaram 2,97%, e nulos 6,04%. No primeiro turno, Luiz Marinho teve 48,26% dos votos, contra 37,57% do tucano. Ex-ministro da Previdência, Marinho conseguiu a liderança nas pesquisas e nas urnas com a ajuda do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.   Veja também: Kassab sai vitorioso e ficará mais 4 anos na Prefeitura de SP Galeria de fotos: 'O dia de Marta' Em disputa apertada, Paes vence Gabeira no Rio Márcio Lacerda, do PSB, é eleito prefeito Geografia do voto: desempenho dos partidos no País  Cobertura completa das eleições 2008 Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos   Marinho deixou o Ministério da Previdência no último dia 4 de junho para concorrer à prefeitura de São Bernardo pelo PT, liderando a coligação "São Bernardo de Todos", com outros dez partidos. A disputa em São Bernardo do Campo tem uma importância significativa para o PT, já que o partido não vence uma eleição municipal na cidade - berço do PT - há 16 anos.   Duas vezes vereador e duas vezes deputado estadual, Morando afirmou, durante toda sua campanha, ser o candidato mais preparado para governar a cidade da Grande São Paulo, quarto município mais populoso do Estado. Ele é um dos candidatos citados na "lista suja" da Associação dos Magistrados do Brasileiros (AMB). Em entrevista à Agência Brasil, admitiu que responde a um processo por improbidade administrativa pela contratação de assessores, quando vereador.   O Ministério Público de São Paulo argumenta que Morando, assim como outros vereadores, tinham assessores em excesso. O candidato, porém, conseguiu vitória em primeira instância e, atualmente, aguarda sentença do Tribunal de Justiça paulista. Morando é apoiado pelo prefeito William Dib (PSB).   Simbolismo para o PT   A cidade tem 800 mil habitantes e diversos simbolismos para o partido do Presidente Lula, que vota na cidade, já que foi palco das greves mais importantes da história sindical do País na década de 70, num movimento que acabou fomentando a criação do Partido dos Trabalhadores. Hoje, abriga o mais importante sindicato da CUT, o dos metalúrgicos do ABC. Na cidade, Lula venceu as cinco eleições presidenciais que disputou, o que não se repete nas eleições locais, onde o PT venceu apenas uma eleição para a prefeitura, há 20 anos.   Mais do que o desejo de ter seu partido à frente da administração de um município com Orçamento de R$ 2,2 bilhões, Lula não aceita o fato de o PT só ter vencido uma eleição em São Bernardo desde 1982. Afinal, trata-se da cidade onde o partido nasceu, na qual o sindicalismo projetou o presidente e onde ele mora até hoje.   Na primeira disputa, o candidato petista, o então advogado trabalhista do Sindicato dos Metalúrgicos Maurício Soares, foi o mais votado. Mas, em 1982, havia o instituto da sublegenda - que permitia a um mesmo partido ter vários candidatos - e Maurício perdeu na soma dos votos para os três nomes do PMDB. Quem ganhou foi Aron Galante, atualmente filiado ao PT e apoiador de Marinho. Em 1988, Maurício Soares venceu, mas pouco tempo depois se desentendeu com o vice Djalma Bom e deixou o partido. Depois disso, nenhum petista conquistou a Prefeitura de São Bernardo.   Desta vez, o empenho de Lula para ver a cidade comandada por um companheiro de partido foi total. No sábado, véspera de eleições, Lula cancelou o almoço que faria com os candidatos do PT da Grande São Paulo, mas não deixou de participar de um ato de campanha em São Bernardo do Campo. Em companhia da primeira-dama Marisa Letícia, o presidente subiu em carro aberto ao lado de Marinho e participou de uma carreata na região central da cidade.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.