Andre Dusek|Estadão
Andre Dusek|Estadão

Com Aécio, tucano vai ao ataque em BH

Mais votado no primeiro turno, João Leite troca tom passivo do início da campanha por acusações contra o adversário Alexandre Kalil (PHS)

Pedro Venceslau , O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2016 | 05h00

Decisiva para as pretensões políticas do senador Aécio Neves (PSDB-MG), a campanha do tucano João Leite à prefeitura de Belo Horizonte mudou de estratégia nos últimos dias e partiu para a ofensiva contra o adversário Alexandre Kalil (PHS), que cresceu e, em pesquisa Ibope divulgada na semana passada, apareceu pela primeira vez numericamente à frente na disputa. 

Depois de evitar confrontos diretos no primeiro turno, a equipe de comunicação de Leite abandonou o tom passivo e passou a usar a propaganda eleitoral na TV para acusar o rival de não pagar direitos trabalhistas para seus funcionários. 

Em vídeo divulgado no horário eleitoral, uma suposta ex-funcionária afirma que os empregados do candidato do PHS não estavam conseguindo receber aposentaria ou outros benefícios da Previdência e acusa Kalil de apropriação indébita. “Se a empresa dele trata assim seus funcionários, imagine esse homem na prefeitura”, disse Adriana Madureira, que se apresentou como ex-funcionária de Kalil. Em outro trecho, ela afirma que o candidato “entrava na empresa gritando, saia berrando e não dava nem bom dia”.

A campanha de Leite levou Adriana para a plateia do debate entre os candidatos promovido nesta terça-feira, 25, pela TV Alterosa, afiliada do SBT, e voltou a acusar o candidato de não recolher os impostos trabalhistas. Kalil negou a acusação e disse que Adriana não foi sua funcionária, mas tinha uma empresa que prestava serviço à sua empreiteira.

Reforço. A mudança de tom na campanha tucana coincidiu com a chegada a Minas do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que interrompeu um ciclo de viagens por capitais brasileiras para reforçar a campanha do aliado. 

Correligionários do senador, que é presidente nacional do PSDB, estão atuando diretamente na campanha de Leite. Entre os novos colaboradores está a irmã de Aécio, Andrea Neves, estrategista das campanhas do senador.

Outro que também passou a atuar na campanha de Leite é o deputado federal Marcus Pestana (PSDB-MG), um dos principais interlocutores do dirigente tucano na Câmara. O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), ex-governador do Estado, completa o time que tenta levar o PSDB de volta ao comando da capital mineira. 

Planos. Pré-candidato ao Palácio do Planalto em 2018, Aécio tem como prioridade neste segundo turno eleger seu aliado para não perder espaço na sigla. 

Em 2014, o aliado de Aécio em Minas, Pimenta da Veiga, perdeu a eleição no Estado para o petista Fernando Pimentel. Em 2016, o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, do PSB, rompeu com o senador. Sem a máquina estadual ou municipal, o PSDB mineiro enfrentou um isolamento político no Estado. Parte dos tucanos mineiros cobram mais atenção de Aécio a Minas e que ele dispute o governo mineiro em 2018 para recompor seu grupo. / COLABOROU LEONARDO AUGUSTO, ESPECIAL PARA O ESTADO EM BELO HORIZONTE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.