Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Com 61%, PSOL escolhe Boulos como pré-candidato à Prefeitura de SP

Chapa terá a deputada Luiza Erundina como vice; ex-presidenciável derrotou dois outros candidatos na disputa

Tulio Kruse, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2020 | 21h25

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) Guilherme Boulos e a deputada federal Luiza Erundina foram confirmados neste domingo, 19, como pré-candidatos à Prefeitura de São Paulo pelo PSOL. Eles saíram vitoriosos das prévias do partido, que disputavam com outras duas chapas: a da deputada federal Sâmia Bomfim e a do deputado estadual Carlos Giannazi. 

Boulos e Erundina tiveram 61% dos votos na consulta aos filiados do PSOL. Sâmia Bomfim ficou em segundo lugar, com 32% dos votos, e Giannazi teve 6,4%. Um total de 2,4 mil pessoas votaram nas prévias do partido para a cidade de São Paulo. 

A consulta ocorreu em dez locais de votação na capital. O partido ressaltou que foram respeitadas medidas sanitárias e aglomerações foram evitadas. O único evento presencial nas prévias foi um debate com as três chapas na última sexta-feira, transmitida pelas redes sociais. 

Boulos comemorou os resultados nas redes sociais, e em seguida entrou em uma transmissão de vídeo com Erundina. 

“O modelo democrático, popular, socialista de cidade, é possível. E é isso que nós queremos construir”, ele disse durante a transmissão. Boulos, que disputou a Presidência da República pelo PSOL em2018, fez críticas durante a transmissãoao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), indicando que a campanha deve ser marcada por contraposição ao governo federal. Para ele, São Paulo seria “o berço onde a gente vai começar a derrotar o bolsonarismo”. 

Ainda na transmissão, o pré-candidato criticou as condições de trabalho de entregadores de aplicativos de entrega, e disse que a administração municipal pode levar propostas para a categoria. Uma das sugestões foi a construção de um fundo previdenciário municipal. “A Prefeitura tem atribuição para regulamentar isso.” 

A chapa Boulos-Erundina publicou na internet um manifesto com um esboço de sua plataforma eleitoral para disputar a Prefeitura. O texto indica pautas relacionadas ao meio ambiente e a defesa de minorias. 

“Essa vitória nas prévias tem todo o sentido de que é o primeiro passo de tantos outros que daremos”, disse Erundina, também na transmissão. “Me sinto tão jovem quanto há 30 anos atrás, e tão desafiada.” 

Concorrentes mandam mensagem de união

A deputada Sâmia Bomfim agradeceu apoiadores e desejou sorte à chapa vencedora. Ela analisou positivamente o processo de prévias interno do partido. Seu posicionamento também marcou tom crítico ao governo federal. 

“O PSOL deve se apresentar no processo eleitoral desse ano falando a verdade para o povo: para sobreviver e derrotar o bolsonarismo é preciso lutar muito”, escreveu a deputada, em uma rede social. “E para que as lutas sejam fortes, amplas e vitoriosas, o PSOL precisa se postular como alternativa independente. Ousar liderar a nova esquerda, com um programa radical.” 

Ela pediu mais consultas à base partidária, com processos de consulta internos. “Estarei muito engajada em apoiar e construir uma bancada forte e vitoriosa na Câmara Municipal”. 

O terceiro colocado, Carlos Giannazi, também emitiu uma mensagem de união após a vitória do líder sem-teto, e disse que “agora somos todos Boulos”. 

“A candidatura dele vai representar o que sempre representou o PSOL, principalmente nesse momento em que nós vamos enfrentar a extrema direita de São Paulo, a direita liberal representada pelo tucanato e também a falsa esquerda representada pelo PT”, disse o deputado. “O PSOL é um partido de esquerda coerente, programático e ideológico, e o Boulos vai representar exatamente isso.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.