Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Coligação de Dilma pede ao TSE direito de resposta à revista

Segundo o advogado Gustavo Severo, pedido de liminar é para que resposta de cerca de uma página seja veiculada no site da 'Veja'

Laís Alegretti e Mariangela Gallucci, O Estado de S. Paulo

25 de outubro de 2014 | 13h06

 A coligação da candidatura de Dilma Rousseff à presidência entrou na noite de sexta-feira com representação no Tribunal Superior Eleitora (TSE), que pede direito de resposta à última edição da revista Veja. O pedido é para que uma resposta de cerca de uma página seja veiculada no site da revista, segundo o advogado da coligação, Gustavo Severo.

O relator é o ministro Admar Gonzaga e a expectativa é que o pedido de liminar seja decidido nas próximas horas. Na sessão do TSE que ocorreu às 12h, o assunto não foi pautado. "Acho que não houve tempo hábil para trazer ao plenário", disse o advogado.

Propaganda. Na noite desta sexta-feira (24), o TSE concedeu liminar que proíbe a editora Abril, responsável por publicar a revista Veja, de fazer propaganda em qualquer meio de comunicação da reportagem de capa segundo a qual a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teriam conhecimento do esquema de corrupção da Petrobrás. A reportagem diz se basear em depoimento prestado na última terça-feira, 21, pelo doleiro Alberto Youssef no processo de delação premiada a que ele se submete para ter direito à redução de pena.


O pedido para impedir a publicidade da matéria foi apresentado pela campanha de Dilma na tarde desta sexta-feira. A defesa da petista requereu ao tribunal que a revista se abstivesse de fazer propaganda de sua capa, que tem, na opinião dos advogados de Dilma, conteúdo ofensivo à candidata à reeleição. Para a campanha petista, uma eventual publicidade do caso tem por objetivo único beneficiar a candidatura do tucano Aécio Neves.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesDilma RousseffPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.