CNJ priorizará processos contra juízes

Em sua primeira sessão na presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o ministro Carlos Ayres Britto afirmou ontem que priorizará na pauta de julgamentos as sindicâncias e processos disciplinares abertos contra juízes suspeitos de ilegalidades, como venda de sentenças judiciais. "Combate cerrado ao patrimonialismo a partir de nossa pauta", disse. Ainda ontem, o conselho decidiu afastar do cargo e abrir processo administrativo contra o desembargador Carlos Souza, do TJ do Tocantins, suspeito de ter recebido dinheiro para mudar ordem de pagamento de precatórios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.