Clima impede operação da FAB

As condições climáticas adversas na fronteira norte, com chuva forte e vento intenso, impediram a destruição das duas principais pistas clandestinas localizadas pela Força Aérea na Amazônia esta semana. A missão estava prevista para ontem. Os aviões Super Tucano do Esquadrão Escorpião, de Boa Vista (RR), estão no hangar de operações, preparados e armados com bombas de 230 quilos. Serão usados de dois a quatro caças. A ordem para o bombardeio só depende do quadro meteorológico.

ROBERTO GODOY, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2012 | 03h04

A aviação militar mapeou dez pistas dentro de reservas indígenas durante a Operação Ágata 4, que envolve cerca de 9 mil combatentes, ao longo de 5 mil quilômetros, do Oiapoque a Cucuí, no Amazonas. As tropas encontraram no Aeroporto de Barra do Vento, a 25 km de Boa Vista, uma oficina irregular de manutenção aeronáutica. No local estava um avião com o número de matrícula apagado. Outra aeronave esperava a substituição da asa, um trabalho complexo que exige especialização. Peças, componentes e ferramentas foram apreendidas. A prestação desses serviços é privativa dos estabelecimentos registrados e inspecionados pelo Comando da Aeronáutica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.