Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Ciro: 'Neoliberalismo de Paulo Guedes instrumentaliza economicamente o fascismo'

'Eleitor deve votar em quem tem condições de vencer o nazismo, o extremismo e a violência militarizada e radicalizada', disse o candidato

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2018 | 11h51

O candidato do PDT à Presidência da República nas eleições 2018, Ciro Gomes, disse nesta quinta, 20, que o neoliberalismo do economista Paulo Guedes, guru econômico da campanha de Jair Bolsonaro (PSL) "instrumentaliza economicamente o fascismo". A declaração foi dada durante fala no Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), em São Paulo, quando o pedetista criticou as políticas neoliberais propostas pela chapa adversária.

Embora tenha pregado contra o voto útil, Ciro disse que o eleitor “deve votar em quem considera melhor, mais preparado e que tem condições de vencer o nazismo, o extremismo e a violência militarizada e radicalizada - que é o grande perigo que paira sobre a nação brasileira.”

Na última pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo, divulgada há dois dias, ele aparece em terceiro lugar, com 11% das intenções de voto, atrás do líder Bolsonaro, com 28%, e Fernando Haddad (PT), que aparece com 19%. No levantamento do Datafolha, divulgado quarta, ele aparece com 13%, três pontos atrás do petista. Bolsonaro também aparece com 28% neste estudo. Nas projeções de segundo turno dos dois institutos, Ciro aparece na frente de Bolsonaro.

No IAB, Ciro também falou da incapacidade de investimento do País e da atuação de bancos privados e afirmou que o PT tem uma “a tendência conservadora” na economia - citando Henrique Meirelles, candidato à Presidência pelo MDB e ex-ministro da Fazenda de Luiz Inácio Lula da Silva, e o economista Marcos Lisboa, secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, também no governo Lula. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.