SERGIO MORAES/REUTERS
SERGIO MORAES/REUTERS

Ciro fala em 'virada' e diz que Haddad 'não tem energia' para superar Bolsonaro

Candidato do PDT disse que sua presença no segundo turno das eleições 2018 'é completamente possível'

Marcio Dolzan / RIO, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2018 | 11h50

Terceiro colocado nas pesquisas de intenção de voto nas eleições 2018, o candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, minimizou seu desempenho nos levantamentos e disse nesta sexta-feira, 5, que "a virada é completamente provável" no pleito de domingo. Mirando uma vaga no segundo turno contra Jair Bolsonaro (PSL), que lidera em todas as pesquisas, Ciro disse que o candidato do PT, Fernando Haddad, que aparece em segundo, "não tem energia e autoridade" para bater Bolsonaro.

As declarações de Ciro Gomes foram dadas no momento de sua chegada à favela da Rocinha, na zona sul do Rio, onde o pedetista realizou um ato de campanha mesmo debaixo de chuva. "Eu nunca perdi no meu lugar (Ceará), nunca, nenhuma vez, e tenho honra, felicidade e gratidão por isso. E o Haddad disputou a última eleição há menos de dois anos e perdeu para um farsante como o Doria (João Doria, do PSDB, candidato ao governo de São Paulo neste pleito) em todas as zonas de São Paulo. Ele não é má pessoa, eu não tenho nada contra a personalidade dele, mas ele não tem a energia, não tem a autoridade que é a marca para enfrentar essa onda fascista que quer tomar conta do Brasil", afirmou.

Para Ciro, ficar com a segunda vaga num eventual segundo turno é possível. "A virada é completamente provável. Está acontecendo o que aconteceu nas pesquisas nas eleições passadas. Nesse dia, nas eleições passadas, o segundo turno era entre Marina e Dilma, e evidentemente que a história foi outra", ponderou. 

O candidato do PDT afirmou ainda que quem pretende votar em Jair Bolsonaro estará votando contra a democracia. "Nesse momento você tem 30% dos brasileiros votando contra a democracia, contra si mesmo. Essa é minha tarefa, buscar os outros 70% e tirar o Brasil dessa violência", sustentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.