Evaristo Sá/AFP e Dida Sampaio/Estadão
Evaristo Sá/AFP e Dida Sampaio/Estadão

Ciro e Meirelles dividirão palanque em Minas Gerais

PDT e MDB mineiros estão na mesma coligação, do candidato ao governo Adalclever Lopes

Jonathas Cotrim, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2018 | 19h30

BELO HORIZONTE - Os candidatos à Presidência Henrique Meirelles (MDB) e Ciro Gomes (PDT) terão o mesmo palanque em Minas Gerais, já que os partidos estão na coligação do postulante ao governo do Estado, Adalclever Lopes, do MDB. Nesta quarta-feira, 29, o palanque duplo foi garantido após a chapa confirmar o pedetista Fábio Cherem como candidato ao Senado. 

“Vamos trabalhar com os dois candidatos aqui, cada um com seu partido. Mas o nosso principal mote é a eleição ao governo de Minas”, disse o presidente do PDT em Minas Gerais, o deputado federal Mário Heringer. Antes da confirmação, os pedetistas ameaçavam deixar a coligação de Adalclever caso Fábio Cherem não fosse o indicado ao Senado.

Além de Cherem, os emedebistas Hélio Costa e Leonardo Quintão, além do ex-secretário da Prefeitura de Belo Horizonte, Daniel Nepomuceno, do PV, eram cotados para assumir a candidatura ao Senado.

+ TSE deve julgar caso Lula em sessão extraordinária convocada para 6ª feira

O candidato a vice-presidência do MDB, Germano Rigotto, esteve em Belo Horizonte nesta quarta e também confirmou o palanque duplo. “Isso não acontece só em Minas Gerais, estou muito tranquilo quanto a isso”, disse.

Adalclever Lopes terá como vice Adriana Buzelin, do PV, que apoia a candidatura à Presidência de Marina Silva, da Rede. “Os três candidatos indicarão a chapa do Adalclever como a que rompe a polarização entre PT e PSDB”, disse o presidente interino do MDB em Minas Gerais, deputado federal Saraiva Felipe.

A coligação ainda conta Podemos e PRB. Adalclever perdeu o apoio do PROS, que em nível nacional está coligado com o PT. Existe a possibilidade de que a legenda lance a candidatura do deputado federal Jaime Martins, do PROS, ao Senado, e apoie a tentativa de reeleição do governador petista, Fernando Pimentel, mesmo sem estar formalmente registrado da coligação no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.