Dida Sampaio/Estadão/Divulgação
Dida Sampaio/Estadão/Divulgação

Ciro diz a revista que foi bombardeado por 48 horas por convites do PT para ser vice

Após o partido do ex-presidente Lula fechar um acordo por neutralidade no âmbito nacional com o PSB, candidato à Presidência nas eleições 2018 tem criticado petistas com frequência

Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2018 | 21h50

O presidenciável do PDT, Ciro Gomes, admitiu em entrevista na noite desta terça-feira, 14, que o PT o convidou para ser vice na chapa liderada pela sigla nas eleições 2018 dias depois da formalização da candidatura dele ao Planalto.

"Mesmo depois de o PDT ter homologado a minha candidatura, o PT me bombardeou por 48 horas com convites para ser vice. Considerei um insulto", afirmou Ciro em entrevista à revista Carta Capital. "Só por jogada fui cogitado como vice."

O PDT formalizou a escolha de Ciro como candidato em 20 de julho, sem a escolha do candidato a vice. Àquela altura, o ex-ministro estava em negociação com o PSB para a composição da chapa. No final do mês, porém, a cúpula pessebista acertou com o PT um acordo por neutralidade no âmbito nacional, em tentativa de isolar o pedetista no campo da centro-esquerda e em troca da retirada das candidaturas de Marcio Lacerda (PSB) ao governo de Minas Gerais e de Marília Arraes (PT) ao comando de Pernambuco.

Em 5 de agosto, Ciro escolheu a correligionária Kátia Abreu, senadora por Tocantins, para a vaga de vice. A chapa pedetista só teve a adesão de um partido, o nanico Avante.

Desde então, a manobra petista tem sido reiteradas vezes criticada por Ciro. À Carta Capital, o pedetista repetiu que a cúpula do PT "armou fraude" em torno da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava Jato.

"Todo mundo minimamente bem informado sabe que Lula não será candidato, menos o nosso povo. O que está havendo é uma escalada de fraude da cúpula petista, que usa da boa-fé da população que quer votar no Lula", afirmou Ciro.

Apesar da crítica ao PT, o partido foi lembrado como "adversário, não inimigo" e Lula como "velho companheiro". "Não vou votar na direita, não vou fazer como a Marina (Silva), que o PT empurrou para a direita", ressaltou.

Ciro disse também que o processo que levou o ex-presidente Lula à prisão é uma "aberração jurídica".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.