Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Ciro contorna resistências, mas se lança à Presidência sob desconfiança no PDT

Parte da bancada na Câmara é reticente à candidatura do ex-ministro, estagnado nas pesquisas de intenção de voto

Gustavo Queiroz, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2022 | 05h00

Após contornar resistências no próprio partido, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) lança hoje, ainda sob desconfiança interna, sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto. Após reunião com a Executiva na segunda-feira, parte do PDT unificou o discurso de apoio ao nome de Ciro e tem dito que a convenção afastará rumores de isolamento do pedetista. Uma ala, no entanto, insiste em defender que a legenda não tenha candidato próprio e use o dinheiro do fundo eleitoral para investir no aumento das cadeiras na Câmara.

No cerne da resistência a um palanque próprio, além da divisão do fundo eleitoral, está o fim das coligações nas eleições proporcionais, o que, na avaliação de parlamentares da sigla, abre espaço para a busca por uma federação partidária, como a proposta pelo PT. O presidenciável, por sua vez, resiste.

Mote

Convencer o “eleitor cansado da polarização” deve ser um dos motes da campanha previstos pelos apoiadores, reforçando a investida do pedetista contra o ex-juiz e presidenciável do Podemos, Sérgio Moro, que disputa votos da chamada “terceira via”.

De acordo com o presidente do PDT, Carlos Lupi, o tema da pré-campanha lançada hoje será “rebeldia da esperança”, que, segundo o dirigente, pode dialogar com o perfil do eleitor desejado pelo partido. “A gente quer consolidar o voto dessa juventude rebelde contra o sistema, a ignorância, o negacionismo e todo tipo de discriminação”, disse Lupi.

O cientista político Bruno Soller observou que, historicamente, Ciro “conversa com um público, que enxerga a economia de uma forma mais planificada”, de perfil etário e renda maior que a média brasileira. Para o especialista, o pedetista, que tem oscilado para baixo dentro da margem de erro em pesquisas de intenção de voto, terá como desafio conquistar o eleitor do PT, já que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estaria capturando o voto de quem quer derrotar Jair Bolsonaro nas urnas.

Em sua quarta tentativa de chegar ao Planalto, Ciro, que já foi ministro nos governos de Itamar Franco e de Lula, prefeito de Fortaleza, governador e secretário de Saúde do Ceará, além de deputado federal e estadual, quer se mostrar como opção a “tudo o que está aí”. Parte da bancada aposta no crescimento de Ciro nas pesquisas a partir de abril – até agora, o ex-ministro não alcançou os desejados dois dígitos. 

Marina

Uma das estratégias do partido também tem sido ventilar o nome da ex-ministra Marina Silva como possível vice. “Isso só depende de os dois quererem e aceitarem”, disse Lupi, ao reforçar a boa relação entre Ciro e Marina. O PDT, contudo, terá de entrar em um cabo de guerra com o PT para conquistar a Rede em uma possível federação partidária. 

“Vamos ter o lançamento da pré-candidatura justamente para justificar quaisquer rumores que envolvam um isolamento. Estamos todos de forma uníssona”, afirmou o deputado André Figueiredo (CE). “A bancada está junta”, disse o também deputado Mário Heringer (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.