Cinco ministros de Dilma pedem voto para Haddad na TV

Propaganda tucana comparou gestão de Serra, em 2005, com a de Marta Suplicy, de 2001 a 2004

Daiene Cardoso, da Agência Estado

22 de outubro de 2012 | 21h45

Cinco ministros do governo Dilma Rousseff apareceram na noite desta segunda-feira, 22, no horário eleitoral do candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad. Miriam Belchior (Planejamento), Guido Mantega (Fazenda), Aloizio Mercadante (Educação), José Eduardo Cardozo (Justiça) e Alexandre Padilha pediram votos ao petista e destacaram a importância do trabalho conjunto entre os governos municipal e federal. "São Paulo terá uma oportunidade única em sua história", apontou Miriam. "A presença de Haddad na Prefeitura será bom para São Paulo e para o Brasil", emendou Mantega.

O programa petista foi dedicado aos projetos que podem ser executados em parceria, seja com o governo federal ou com o estadual, este administrado pelo tucano Geraldo Alckmin. "Estou na política para unir, não para dividir", disse Haddad, explicando que fará parcerias com o Estado porque os interesses da cidade estão "acima dos interesses partidários e pessoais". A propaganda petista disse ainda que o candidato do PSDB, José Serra, "nunca fala em parcerias com o governo federal" e que essa postura causa prejuízos para o desenvolvimento da cidade.

Apesar das críticas da campanha tucana de que o governo federal não investe em São Paulo, a campanha de Haddad enfatizou que projetos, como o Expresso Tiradentes e o Rodoanel, saíram do papel com recursos federais. Se eleito, Haddad disse que pretende trazer recursos do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC 2) para melhorar o transporte público da capital paulista.

A campanha do tucano José Serra insistiu no discurso de que o "PT de Haddad" pretende acabar com as parcerias entre a Prefeitura e as Organizações Sociais que administram hospitais na cidade. O programa mostrou uma cópia de um abaixoassinado que teria sido iniciativa de petistas contra essas parcerias e incluiu um vídeo onde o candidato do PT defende que o poder público assuma a administração de hospitais. "O PT do Haddad votou contra a lei das parcerias", acusou o narrador.

Na TV, a propaganda do PSDB também investiu na comparação entre a gestão Marta Suplicy (2001-2004), ou "o tempo de Haddad e do PT", e a chegada de José Serra na administração municipal em 2005. Ao mostrar as antigas "escolas de lata", a campanha afirmou que Serra "inaugurou um novo tempo na educação" e que na gestão "Serra/Kassab" os Centros Educacionais Unificados (CEUs) foram mantidos e os professores municipais tiveram ganhos salariais e aperfeiçoamento profissional.

No final, após listar seus projetos para taxistas e estudantes do ensino técnico e de cursos profissionalizantes, a campanha tucana mostrou cenas do candidato nas ruas, recebendo o apoio de sambistas e ainda explorou a declaração de apoio do goleiro do São Paulo, Rogério Ceni.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2012SPpropaganda eleitoral

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.