Cinco erros cometidos por Marina Silva durante a campanha

Candidata do PSB foi derrotada no 1º turno com 21% dos votos

O Estado de S. Paulo

05 de outubro de 2014 | 23h27

Derrotada no primeiro turno, a candidata Marina Silva (PSB) enfraqueceu no final e obteve 21% dos votos nas urnas. Entre erratas no plano de governo e falta de alianças estaduais estratégicas, veja cinco erros da campanha da ex-ministra:

1 - Alianças 

Quando ainda era vice de Eduardo Campos, Marina se posicionou publicamente contra os palanques estaduais articulados pelo PSB em importantes colégios eleitorais, como São Paulo e Rio. Não fez os acenos necessários quando assumiu a candidatura.

2 - Recuos

Após lançar o programa de governo, considerado o grande trunfo da sua candidatura, fez correções no documento. Numa delas, recuou de propostas para a comunidade gay. Foi acusada de mudar de opinião por pressão do pastor Silas Malafaia.

3 - Falta de reação

Mesmo diante de forte artilharia vinda tanto do PT quanto do PSDB, Marina demorou para reagir aos ataques. Pressionada por seus assessores, decidiu subir o tom contra a presidente Dilma Rousseff somente na última semana da campanha eleitoral.

4 - Contradições 

Defensora da nova política, Marina foi mais cobrada do que seus adversários para manter a coerência. Ao dividir palanque com Paulo Bornhausen, em SC, foi criticada por apoiar uma família ligada ao período da ditadura.

5 - Desorganização

A falta de traquejo político e a dificuldade de tomar decisões rápidas da equipe de Marina ficaram evidentes no dia a dia da campanha. As agendas da candidata eram sempre organizadas na véspera. Questões simples eram discutidas à exaustão até alcançar um consenso.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2014Marina Silva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.