Chefe da AGU admite que nomeou adjunto ciente das investigações

Weber Holanda teria cometido irregularidades em outros cargos; advogado-geral da União não vê crimes em conduta

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2012 | 23h53

O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, admitiu ontem que chamou o ex-adjunto José Weber de Holanda para trabalhar em sua equipe mesmo sabendo de investigação contra o auxiliar por supostas irregularidades cometidas em cargos anteriores. Em entrevista de mais de uma hora, concedida antes de audiência com a presidente Dilma Rousseff, ele disse que, na condição de assessor direto, Weber falava em seu nome na AGU, embora não tivesse licença para "extrapolar". Ele afirmou que não viu crime na conduta de Weber, indiciado pela PF na Operação Porto Seguro.

Ao avaliar a conduta do auxiliar, Adams disse que houve excesso, mas não um crime. "O que parece é que, de fato, ele extrapolou, quando encaminhou os pareceres para análise do doutor Paulo (Vieira, ex-diretor da ANA). "Não necessariamente, isso é crime, mas eu acho algo reprovável", completou.

'Proatividade'. Adams disse conhecer Weber há mais de dez anos e elogiou sua "proatividade" como profissional, uma das razões citadas para convocá-lo à sua equipe. "Quando assumi, convidei-o para trabalhar comigo. Ele me relatou um caso pendente", lembrou o advogado-geral, ponderando, contudo, que a promoção ao adjunto só veio quando o processo foi arquivado no Superior Tribunal de Justiça . "Entendi que, superada essa questão, poderia indicar, como indiquei", disse Adams, acrescentando que denúncias de desvio ético nem sempre são confirmadas.

Weber respondia a processos administrativos por supostas irregularidades em sua passagem pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), mas recorreu ao STJ, com sucesso, alegando que o prazo para a abertura dessas investigações estava prescrito. De acordo com fontes da AGU, desde sua nomeação, Adams pretendia nomeá-lo adjunto, o que foi barrado pela Casa Civil por conta das suspeitas contra o servidor.

Adams disse que Weber se reportava aos subordinados em seu lugar. "Todos os adjuntos possuem alguma autorização para falar em nome do AGU, para trazer demandas, levar questões. Agora, essa autorização não autoriza qualquer extrapolação de função", afirmou.

Dilma. Adams garantiu que o episódio não afeta sua relação com a presidente Dilma. Segundo ele, ela lhe pediu apenas que investigasse o caso e punisse responsáveis eventualmente identificados. Questionado se via necessidade de pôr o cargo à disposição, reagiu: "Não acho, não. Não tenho nenhum envolvimento nesse caso. Não tenho porque assumir a culpa de um fato pelo qual não sou responsável".

O titular da AGU se disse "magoado, chocado e triste" com o ex-adjunto. "Para mim, é pessoalmente um choque e uma indignação", afirmou. Ontem, Adams anunciou que as consultas à AGU feitas pelos demais órgãos federais vão cumprir daqui por diante um rito mais rigoroso, para evitar desvios.

Uma das mudanças é que os interlocutores de cada lado terão de ser nomeados e constar dos registros com a movimentação dos processos. / F. F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.