Divulgação
Divulgação

Chalita, Russomanno e Serra são os milionários da eleição paulistana

Candidato do PMDB é o mais rico, com patrimônio de R$ 11,5 mi; Russomanno declarou R$ 2,3 mi

Bruno Lupion, do estadão.com.br,

06 de julho de 2012 | 21h45

SÃO PAULO - Três dos seis principais candidatos à cadeira de prefeito de São Paulo, instalada no quinto andar do Edifício Matarazzo, no Vale Anhangabaú, declararam nesta semana à Justiça Eleitoral ter patrimônio superior a um milhão de reais.

O 'Tio Patinhas' da corrida eleitoral é o advogado, professor e escritor Gabriel Chalita (PMDB), com patrimônio de R$ 11,5 milhões, seguido pelo repórter e apresentador de TV Celso Russomanno (PRB), dono de bens avaliados em R$ 2,3 milhões, e pelo economista José Serra (PSDB), com R$ 1,4 milhão declarados.

Chalita, autor de mais de 45 livros, deixa cerca da metade de seu patrimônio em investimentos financeiros. A outra metade representa um apartamento em Higienópolis, região nobre da capital, no valor de R$ 5 milhões, e outro às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio, avaliado em R$ 1,2 milhão. Chalita ainda possui um automóvel BMW de R$ 246 mil, mas diz ter perdido dinheiro nos últimos dois anos - seu patrimônio está 7% menor que em 2010, quando declarou ter R$ 12,3 milhões.

Russomanno é o segundo candidato mais rico, com bens avaliados em R$ 2,3 milhões, mas é o campeão em evolução patrimonial no período. Entre 2010 e 2012, registrou ganhos de 109% - o maior destaque foi a aquisição de uma cota de 26% do Bar e Restaurante do Alemão, em Brasília, no valor de R$ 1,1 milhão.

Já Paulinho da Força (PDT) parece ter se desfeito de suas propriedades recentemente. Neste ano, o sindicalista disse ter R$ 493 mil em bens, metade do que declarou nas eleições de 2010. A queda se explica pelo número de imóveis e veículos em seu nome: em 2010, Paulinho tinha dois apartamentos, um terreno e metade de uma casa, além de dois veículos. Em 2012, declarou ter um metade de uma casa, metade de um apartamento e um terreno, e somente um carro.

O candidato do PSDB, José Serra, praticamente não registrou evolução patrimonial no período. Neste ano, declarou possuir R$ 1,47 milhão, entre uma casa de campo no valor de R$ 61 mil em Ibiúna, no interior paulista, parte de um terreno avaliado em R$ 44 mil no município de Piracaia, também no interior, e cerca de R$ 1 milhão em investimentos financeiros. Em 2010, Serra declarou R$ 1,42 milhão em bens - crescimento de 3% em dois anos.

A evolução patrimonial do candidato do PT, Fernando Haddad, não pôde ser calculada, já que o ex-ministro disputa sua primeira eleição e, portanto, nunca foi obrigado a publicar sua relação de bens. Neste ano, Haddad declarou ter propriedades no valor de R$ 473 mil, entre um apartamento no Paraíso, zona sul de São Paulo, avaliado em R$ 90 mil, parte de uma casa no Planalto Paulista, também na zona sul da capital, no valor de R$ 183 mil, e R$ 140 mil em quotas de herança.

Soninha Francine, candidata pelo PPS, registrou evolução patrimonial de 44% entre 2010 e 2012. Nas últimas eleições, a ex-vereadora declarou possuir R$ 250 mil em bens, soma que evoluiu para R$ 360 mil neste ano, a maior parte composta por um imóvel na capital de R$ 240 mil e um título de clube de campo em Valinhos, no interior do Estado, avaliado em R$ 90 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.