FELIPE FRAZÃO, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2012 | 03h06

O tema ainda nem entrou em debate, mas o deputado federal e pré-candidato do PMDB à Prefeitura de São Paulo, Gabriel Chalita, já afirmou ser contrário à legalização do aborto no País. Chalita abordou o assunto voluntariamente, ontem, em discurso da aula magna da Faculdade de Direito do Instituto Presbiteriano Mackenzie, onde leciona, na capital paulista. Ele ainda disse reprovar a eutanásia.

"Se eu tenho consciência de que há uma vida, essa vida tem de ser protegida em qualquer momento da trajetória do ser humano", disse, ao citar o direito constitucional à vida para uma plateia formada por cerca de mil jovens na faixa de 20 anos - alunos do curso de graduação em direito da universidade.

Mesmo com apoio do Partido Social Cristão (PSC) para disputar a eleição municipal e próximo à renovação carismática católica, Chalita tentou afastar a tônica religiosa de seu discurso.

"Como não é uma campanha para papa nem bispo, mas para prefeito, vou tentar usar mais argumentos jurídicos e filosóficos do que religiosos", disse. "Acho que o sistema jurídico brasileiro não encontra amparo nessas discussões." O peemedebista afirmou que o aborto não terá destaque na campanha para a Prefeitura, mas acredita que a pauta pode voltar a ser discutida. E prometeu reafirmar sua posição.

"Embora não seja temática de eleição municipal, o que me perguntarem eu tenho resposta, com verdade. Os candidatos não têm de esconder nada. Têm de ser verdadeiros com as crenças que eles têm", pregou Chalita.

Blindagem. A legalização do aborto foi explorada no 2º turno da eleição presidencial de 2010. À época, Chalita foi convocado pelo PT para blindar Dilma Rousseff contra ataques da Igreja Católica. Católicos e evangélicos associaram à petista uma plataforma favorável à descriminalização do aborto. A campanha do tucano José Serra foi acusada de explorar o tema para colocar Dilma em choque com religiosos.

"Reduzir a eleição presidencial à discussão sobre aborto é muito pobre. A mesma coisa vale para a Prefeitura", opinou Chalita. Ele diz pretender debater transporte, saúde e segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.