Chalita diz que filiou 10 mil ao PMDB; há apenas 477 registros

Candidato passou a pregar o crescimento do diretório após se filiar; dirigente alega que partido perdeu prazo de envio dos cadastros

FELIPE FRAZÃO, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2012 | 03h08

Para tentar mostrar que o PMDB está unido em torno de sua candidatura a prefeito de São Paulo, o deputado federal Gabriel Chalita passou a afirmar publicamente que fez o partido crescer na capital paulista desde seu ingresso, em junho do ano passado. Chalita sustenta ter filiado, de lá para cá, mais de 10 mil novos peemedebistas ao diretório municipal. Mas o número oficial disponível no site do Tribunal Superior Eleitoral é 95% menor do que ele diz.

Consulta à base de dados do TSE revela que o partido ganhou apenas 477 novos integrantes filiados - o que equivale a somente a quase 5% dos 10 mil filiados que Chalita diz ter agregado ao partido desde quando migrou do PSB para o PMDB.

Ele passou a pregar o crescimento do diretório paulistano a partir de sua chegada, como estratégia para responder a questionamentos sobre setores do PMDB que não se engajaram na sua campanha - membros de diretórios comandados pelo ex-presidente municipal do partido e ex-secretário de Esportes do prefeito Gilberto Kassab (PSD), Bebetto Haddad.

Desfiliação. No último dia 13, Bebetto pediu desfiliação do partido para apoiar José Serra (PSDB), que representa a gestão Kassab. Bebetto foi seguido por militantes de sua ala - ligada ao ex-governador Orestes Quércia (morto em 2010) -, que também aderiu à campanha serrista.

No dia seguinte, Chalita foi questionado sobre a debandada de quercistas e adotou o discurso de defesa: afirmou que o PMDB ganhou mais de 10 mil adeptos com ele, que o partido estava enfraquecido antes de sua filiação e negou que haja desunião interna.

Legado de Quércia. Na semana passada, Chalita e Serra compareceram à cerimônia em homenagem a Quércia, mas não se encontraram. Na ocasião, Serra foi saudado como o candidato do ex-governador, caso ele fosse vivo. Um dia antes, Chalita recebera apoio de dois ex-dirigentes tucanos do Jabaquara.

"Nós filiamos mais de 10 mil pessoas desde que eu entrei no PMDB. Jovens, jovens universitários, pessoas ligadas a sindicato. É um partido em crescimento. O PMDB estava fraco na cidade, era essa pessoa ligada ao Kassab que presidia o partido, nós não tínhamos vereador aqui na cidade de São Paulo, não elegemos nenhum deputado federal da cidade de São Paulo e agora o PMDB está crescendo com novas lideranças, muita gente de bem entrando na política. Graças a Deus nosso partido está unido para ganhar essa eleição", afirmou Chalita no dia 14 durante sabatina promovida pelo jornal Folha de S.Paulo.

Desde abril, após Bebetto se negar a sair da Prefeitura para apoiar Chalita, resistindo à pressão do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), o candidato tem dito que renovou o PMDB paulistano.

"O PMDB é um partido que está crescendo agora em São Paulo. Desde que eu entrei no PMDB nós filiamos quase 10 mil pessoas no PMDB, só aqui de São Paulo, fora as pessoas que trouxemos de outras cidades do interior", disse em entrevista na Câmara Municipal.

Ritmo. A lista de filiados disponível no TSE é atualizada duas vezes ao ano: em abril e outubro. A que consta no site data do dia 23 de abril. Nela, os últimos registros de filiados ao PMDB são de outubro de 2011. Ou seja, de junho a outubro daquele ano, o PMDB teve somente 477 novas filiações no diretório paulistano. Pelos contas de Chalita, portanto, os outros 9,5 mil teriam se filiado em sete meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.