Caso Rubens Paiva ganha mais detalhes

Relatório mostra mobilização da ditadura para montar história que a livrasse de responsabilidade pela morte do ex-deputado Rubens Paiva

WILSON TOSTA / RIO , O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2012 | 02h03

Documentos oficiais sobre o desaparecimento do ex-deputado Rubens Paiva, sequestrado e morto em 1971 por integrantes da repressão política no País, comprovam a mobilização da ditadura para tentar montar uma história que a livrasse da acusação de responsabilidade no caso. Guardada no Arquivo Nacional, a papelada inclui correspondência entre os então ministros Orlando Geisel (Exército) e Alfredo Buzaid (Justiça).

Os papéis incluem ainda o relatório de uma sindicância da Força sobre a suposta "fuga" do ex-parlamentar e autos de uma perícia no carro que, em versão fantasiosa, conduziria Paiva quando fugiu. Contraditoriamente, parte dos papéis comprova que o oposicionista estava em poder de militares quando "desapareceu" - na verdade, morreu sob tortura, segundo grupos de defesa de direitos humanos comprovaram, há anos.

A morte de Paiva após seu sequestro é um dos focos da Comissão da Verdade, criada para investigar crimes da ditadura. O órgão recebeu na semana passada documentos entregues à Polícia Civil do Rio Grande do Sul por familiares do coronel da reserva Júlio Miguel Molinas Dias, de 78 anos, assassinado em suposto assalto em 1.º de novembro em Porto Alegre. A documentação inclui registro de entrada do ex-deputado no Destacamento de Operações de Informações (DOI) do Rio de Janeiro, que o militar integrou, e pode ajudar a elucidar o caso. Sua descoberta reforça indícios já presentes no material do Arquivo, que aponta militares que poderiam ser chamados à comissão para esclarecer o caso.

Alguns dos citados nos papéis, porém, já morreram. Foi o que ocorreu com o general Orlando Geisel, que, em 23 de junho de 1971, pelo aviso 60/1, encaminha ao ministro Alfredo Buzaid uma cópia da sindicância sobre o caso chancelando, dessa forma, a versão da fuga espetacular do prisioneiro.

O ministro da Justiça, destinatário da correspondência, também já morreu. Assim como o então chefe do I Exército, general Sylvio Frota, que, em 31 de maio de 1971, por ofício ao Superior Tribunal Militar (STM), afirma que Rubens não estava "à disposição que qualquer OM deste Exército" - uma das obsessões dos militares, que insistiam em dizer que o ex-deputado não sumira em suas instalações.

Contradições. No mesmo documento, Frota tenta explicar como o carro de Paiva fora parar com o Exército, dizendo que o veículo fora apreendido corriqueiramente. O que aconteceu foi que, ao ser sequestrado em casa, o ex-deputado foi em seu veículo, sob escolta de seus captores. O Opel virou prova de que Paiva estava com os militares, que deram à família do ex-deputado um recibo pelo automóvel. Nem Geisel nem Frota afirmam nos documentos disponíveis que o ex-deputado fora preso no DOI-RJ - o que os papéis guardados por Molina comprovam, ajudando a enterrar de vez a farsa para encobrir o homicídio sob tortura.

"(...) Esclareço; outrossim, que segundo informações de que dispõe este Comando, o citado paciente quando era conduzido por agentes de segurança, para ser inquirido sobre fatos que denunciam atividades subversivas, teve seu veiculo interceptado por elementos desconhecidos, possivelmente terroristas, empreendendo fuga para local ignorado, o que está sendo objeto de apuração por parte deste Exército", afirma o general.

Curiosamente, nesse trecho Frota contradiz parte da própria sindicância do Exército que comandava no Rio. O documento, de apenas duas páginas e sem depoimentos dos envolvidos, assinado pelo major Ney Mendes, praticamente reproduz outro, assinado pelo oficial de permanência, capitão Raimundo Ronaldo Campos. Ambos afirmam que Paiva foi resgatado no Alto da Boa Vista, quando voltava com Campos e os sargentos Jurandir Ochsendorf e Souza e Jacy Ochsendorf e Souza de uma diligência, em busca de um "elemento" que traria mensagens de exilados no Chile - não quando era levado para interrogatório.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.