Caso Donadon apressou a lei

A adoção do voto aberto nas votações do Congresso ganhou importância no final de agosto, quando o plenário da Câmara salvou da cassação o deputado Natan Donadon (sem partido/RO). Eram necessários 257 votos para cassá-lo - ele já cumpria pena na Papuda - e só 233 votaram a favor da perda de mandato - faltaram 24.

O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2013 | 02h02

A forte reação da sociedade à decisão fez a Câmara correr. Ela votou rapidamente a PEC 43, que passou em plenário por unanimidade, no último dia 3. O texto previa voto aberto para todas as situações - tese que é rejeitada por vários senadores, que querem rediscutir uma a uma as situações em que ele pode ser aplicado.

Mais conteúdo sobre:
voto secreto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.