Caso da Linha 5-Lilás será julgado mês que vem

Outro caso de formação de cartel ligado à Linha 5-Lilás do Metrô, em que empreiteiras teriam combinado o resultado da licitação para obras do ramal durante o governo José Serra (PSDB), deve ter o julgamento marcado para o mês que vem, segundo o Ministério Público Estadual.

O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2013 | 02h09

A Justiça repassou anteontem à Promotoria as defesas prévias dos últimos executivos acusados de ligação com o cartel. O promotor Marcelo Mendroni informou que vai enviar parecer sobre os documentos na próxima semana.

Ao todo, 14 empresários foram denunciados em março de 2012 por fraude na licitação das obras civis da segunda fase da Linha 5 (construção de túneis e estações da extensão desde a região de Santo Amaro até a Chácara Klabin, ambos na zona sul da capital). Os contratos estão em execução e as obras devem ser entregues até 2015. A suspeita foi levantada pelo jornal Folha de S. Paulo, que antecipou o resultado da licitação.

As mais recentes denúncias feitas pela Siemens são sobre a formação de cartel para fraudar contratos para fornecimento do material rodante - trens, trilhos, sistemas de sinalização e energia - para a primeira fase da Linha 5, entregue na gestão Mário Covas. O julgamento que deve ocorrer no mês que vem se refere às obras civis da segunda etapa. Os réus são executivos de construtoras. O caso ocorreu em 2010. A obra é estimada em R$ 8 bilhões.

Segundo a denúncia, os dirigentes "fraudaram o procedimento licitatório e estabeleceram regras próprias do cartel. Reuniam-se e/ou comunicavam-se de forma a fixar os valores e de modo que a empresa que deveria vencer o trecho preestabelecido ofereceria preço abaixo do valor de referência da licitação, e todas as demais apresentariam, como de fato apresentaram, preço acima do valor de referência", diz o texto.

No processo, apenas os executivos são denunciados. O ex-presidente do Metrô Sérgio Avelleda chegou a ser afastado do cargo a pedido da promotoria. / B.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.