Capiberibe e Góes disputarão segundo turno em Macapá

Candidato do PSB obtém 33,07% dos votos, enquanto o do PDT aparece com 26,53%; Lucas Barreto tem 25,19%

Alcinéa Cavalcante, de O Estado de S. Paulo,

05 de outubro de 2008 | 21h10

Camilo Capiberibe (PSB) e Roberto Góes (PDT) são os candidatos que passaram para o segundo turno na disputa para prefeito de Macapá. Capiberibe é oposição ao governo. Góes é o candidato do governador Waldez Góes, seu primo. Capiberibe somou 33,07% dos votos, e Góes, 26,53%. Lucas Barret (PTB) vem em logo em seguida no terceiro lugar, com 25,19%.  Veja também:Em Macapá, eleições ocorrem em clima tranqüiloCobertura completa das eleições 2008 Especial: Perfil dos candidatos Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos  "A minha votação deixou claro que o povo quer mudança", disse Capiberibe ao Estado. Ainda na noite desde domingo, 5, ele vai começar a procurar os outros cinco candidatos e a eles pedir apoio neste segundo turno. "Vou procurar um por um e começar esses entendimentos ainda hoje", disse. Roberto Góes também vai seguir o mesmo caminho. "Vou conversar com todos os outros candidatos para ampliar o leque de apoio neste segundo turno". Comemorando sua passagem para o segundo turno ele disse que "a primeira etapa foi vencida, o objetivo - que era estar no segundo turno - foi atingido. Agora começa tudo de novo". Os dois já disseram que vão procurar imediatamente o ex-deputado Lucas Barreto. Em Macapá tanto a eleição como a apuração aconteceram em clima de tranqüilidade. Poucas pessoas foram presas fazendo boca de urna, não houve tumulto nas sessões, nenhum acidente grave foi registrado e as poucas pessoas que resolveram acompanhar a apuração por um telão colocado na frente do TRE não se exaltaram. A cidade está tranqüila. Nenhuma carreata iniciou até agora. Os candidatos a vereador e também os dois mais votados para prefeito preferem aguardar o final da apuração para festejar. Ninguém quer correr o risco de passar o vexame que um candidato passou na eleição de 2000.  Faltando apurar pouco mais de um por cento dos votos, o candidato que estava na frente resolveu comemorar, o povo foi para as ruas fazer carreata, mas quando os últimos votos foram apurados o quadro mudou e o que estava em segundo lugar subiu e foi o vitorioso. Naquele ano não havia segundo turno.  Por causa disso, neste domingo, 5, os candidatos têm mais cautela e acreditam que a eleição só está definida mesmo depois de apurada a última urna. A diferença do segundo para o terceiro lugar - apurados 97% dos votos - é de 1%. Câmara Dos dezesseis vereadores macapaenses apenas quatro conseguiram a reeleição. Um deles é Charly Jhony (PP) - que na noite de sábado foi preso pela Polícia Federal portando mais de R$ 4 mil reais em cédulas de pequeno valor que seriam usadas para a compra de votos. Charly só foi solto na tarde deste domingo, faltando uma hora para o final da votação e depois de ter pago uma fiança no valor de R$ 10 mil. Vereadores mais votados Os vereadores mais votados de Macapá foram Acácio Favacho (PMDB), com 2,81% dos votos, seguido de prof. Rilton Amanajas (PSDB), com 2,61%, e Cristina Almeida (PSB), com 2,28%. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.