Candidatos vão à mesma igreja, mas em horários diferentes

Ao lado de Chalita, Haddad participou da missa na paróquia Nossa Senhora Aparecida pela manhã; Serra preferiu ir à tarde

RICARDO CHAPOLA, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2012 | 03h05

No dia de Nossa Senhora Aparecida, os dois candidatos à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad (PT) e José Serra (PSDB), participaram ontem das missas realizadas na paróquia que leva o nome da padroeira do Brasil, na Obra Social Dom Bosco de Itaquera, na zona leste. Nesta semana, ambos trocaram acusações de que as campanhas estariam instrumentalizando a religião. O tema veio à tona após o pastor Silas Malafaia - líder da Assembleia de Deus - declarar apoio a Serra e criticar o petista.

O primeiro a participar da missa foi Haddad, pela manhã, acompanhado pela mulher, Ana Estela, e do ex-candidato Gabriel Chalita (PMDB), seu mais novo aliado no segundo turno.

A visita foi costurada pelo peemedebista, que tem trânsito entre as lideranças católicas, e é amigo do padre Rosalvino Morán Vinãyo, pároco da igreja. Ex-coroinha, Chalita trabalha para conseguir votos para Haddad nesse meio. Foi o primeiro evento público em que ambos aparecem juntos, depois do ato que oficializou a aliança PT-PMDB, na quinta-feira.

Durante a maior parte do culto, Haddad, de formação cristã ortodoxa, manteve uma postura rígida, com o semblante fechado e as mãos cruzadas à frente do corpo, enquanto sua mulher e Chalita, ambos à vontade, cantavam os hinos católicos e agitavam os braços. Ao final, o petista rezou o Pai-Nosso e comungou.

Serra participou da missa da tarde, em compromisso que não estava em sua agenda. O tucano foi convidado pelo padre a fazer a segunda leitura da celebração. Além disso, ele doou dinheiro no ofertório e comungou no final da missa.

Depois da comunhão, Serra agradeceu o convite do padre Rosalvino e contou aos fiéis que estudou em colégio salesiano quando criança. O tucano se despediu dizendo "Deus os abençoe" e pedindo pela interseção de Nossa Senhora Aparecida.

O candidato a vice na chapa tucana, Alexandre Schneider (PSD), também participou da celebração. Ele foi convidado pelo padre a fazer a oração da comunidade, logo depois da homilia. No final da missa da tarde, o padre Rosalvino disse que receberá bem quem bater em sua porta.

Farpas. Serra criticou Haddad por acusá-lo de usar o pastor Silas Malafaia para atacar a campanha petista. Na avaliação do tucano, esta é uma estratégica de Haddad já que ele não sabe explicar o "kit gay", material didático de combate à homofobia elaborado - mas não produzido - na gestão do petista no Ministério da Educação.

"Eles estão inventando isso porque Fernando Haddad não sabe explicar aquele chamado kit gay", afirmou Serra. "Era tão malfeito que a (presidente) Dilma (Rousseff) revogou. Para fugir dessa discussão, ele leva para as coisas que têm discussão religiosa", disse o tucano. / COLABOROU BRUNO LUPION

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições2012

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.