Candidatos do Rio discutem milícias e tráfico em debate

A ocupação de comunidades pobres por traficantes ou integrantes de milícias foi um dos temas do debate entre os candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro realizado hoje na sede do jornal O Dia. Eduardo Paes, do PMDB, e Fernando Gabeira, do PV, pregaram a parceria da prefeitura com os governos estadual e federal para enfrentar os criminosos que dominam as favelas cariocas. Paes propõe ações conjuntas do poder público para levar principalmente educação, saúde e oportunidade para os jovens pobres. "A ausência do poder público faz com que o poder paralelo se apresente e se aproveite da miséria para se expandir nessas áreas. O traficante ou miliciano se aproveita dessa carência", afirmou o candidato da coligação "Unidos pelo Rio" (PMDB-PP-PSL-PTB). Já Gabeira propôs a união em torno de um "projeto de libertação da cidade", que gradativamente acabe com ações impostas pelo crime, como toque de recolher e obrigatoriedade de consumo de produtos em determinados pontos das comunidades. "O que diferencia o Rio de outras cidades onde há tráfico é a ocupação armada, que ameaça nossa soberania. O prefeito tem direito de colocar o pé em qualquer metro quadrado público da cidade e eu quero fazer isso", disse o candidato do PV. Ambos candidatos lamentaram e se disseram impressionados com a morte do vereador Alberto Sales, do PSC, assassinado hoje na Barra da Tijuca. Durante o primeiro turno, o vereador afirmou ter recebido ameaças de traficantes quando tentava fazer campanha na favela Mundial, no subúrbio de Honório Gurgel. ProstituiçãoO debate transcorreu em clima cordial, ao contrário dos dois confrontos realizados nas TVs Bandeirantes e Record. Paes reiterou a opinião contrária ao projeto de Gabeira, da "Frente Carioca" (PV-PSDB-PPS), de legalizar a profissão de prostituta. "É minha opinião, mas não há preconceito contra qualquer segmento." Gabeira disse que o projeto pretende levar as prostitutas para o trabalho formal, inclusive com desconto para a previdência. "Estou com elas até o fim."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.