WILTON JÚNIOR /ESTADÃO
WILTON JÚNIOR /ESTADÃO

Candidatos declararam R$ 304 mi em dinheiro

‘Estado’ tabulou dados de 2.390 registros na Justiça Eleitoral; valor é R$ 3 milhões mais do que em 2014; TSE e Receita planejam aumentar fiscalização nas eleições 2018

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

22 Agosto 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Candidatos aos cargos em disputa nas eleições 2018 declararam à Justiça Eleitoral possuir R$ 304 milhões em dinheiro vivo – R$ 3 milhões mais do que no pleito de 2014 se considerado o valor nominal. Caso fosse corrigido pela inflação acumulada no período (IPCA), o montante declarado em agosto de 2014 pelos candidatos à época equivaleria hoje a R$ 384 milhões. O dinheiro este ano está distribuído no patrimônio de 2.390 candidatos – na eleição passada, pertencia a 1.995 postulantes.

Levantamento feito pelo Estado nos dados oficiais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostra que um grupo de 36 candidatos informou possuir valores que superam R$ 1 milhão em espécie. Desses, dez políticos declararam ter entre R$ 2 milhões e R$ 5,3 milhões. A reportagem não considerou valores em moeda estrangeira – apenas em reais. Como o tribunal não exigiu detalhamento no pedido de registro de candidatura, eles não discriminaram como mantêm quantias tão volumosas.

O candidato com mais dinheiro guardado “no colchão” é o atual suplente de deputado e comerciante Juraci Tesoura de Ouro (PTB-DF), de 57 anos. Ele e familiares são donos de uma série de empresas em diferentes ramos, como confecções, cerca de 100 lojas, postos de gasolina e até construtoras. Juraci possui R$ 5,3 milhões em dinheiro vivo, o equivalente a 75% dos patrimônio total que declarou: R$ 7,1 milhões. Ao Estado, ele afirmou que guarda o dinheiro porque “faz muitos negócios”.

O Estado revelou, em julho, que o TSE, em parceria com a Receita Federal e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), planeja aumentar a fiscalização sobre o dinheiro em espécie declarado por candidatos, como forma de coibir o caixa 2.

Os órgãos suspeitam que parte das declarações seja fraudulenta e sirva como estratégia de lavagem de capital antecipada. Segundo técnicos envolvidos nas apurações, há candidatos que declaram guardar em casa recursos que, em verdade, não têm.

Investigadores consideram valores acima de R$ 50 mil pouco factíveis de serem mantidos fora de instituições financeiras. Assim, a declaração informada à corte poderia lastrear dinheiro de origem ilícita usado para custear gastos de campanha ou dar aparência legal a sobras de caixa 2 que, ao fim do pleito, terminariam somadas ao patrimônio pessoal de candidatos. 

Bens. Entre os 28.125 candidatos que pediram registro neste ano, o total de bens declarados chegou a R$ 25,2 bilhões, sendo que imóveis somam R$ 11,6 bilhões, o equivalente a 46% do total. Por orientação da Receita, casas, terrenos, apartamentos, galpões e prédios comerciais ou residenciais, entre outros imóveis, devem ser declarados com base no valor venal apurado na data de compra, a despeito de variações imobiliárias de mercado ao longo dos anos. Por isso, o patrimônio real dos candidatos pode estar subestimado.

Já os R$ 304 milhões em dinheiro vivo representam apenas 1,2% do volume patrimonial. Os valores em moedas estrangeiras, sem especificação, foram convertidos pelos candidatos somando R$ 6,9 milhões. 

Os veículos dos candidatos representam outros 5,1% do total de bens, com valor estimado de R$ 1,28 bilhão. Os candidatos possuem ainda aeronaves avaliadas em R$ 60 milhões. E aplicaram R$ 184 milhões em previdência privada.

Minuto Estadão: entenda como funciona a declaração de bens dos candidatos

Comerciante do DF afirma ter R$ 5,3 mi em espécie

Conhecido como “Tesoura de Ouro” por causa da marca de sua rede de lojas no Distrito Federal, o empresário Juraci Pessoa de Carvalho, candidato a uma vaga na Câmara pelo PTB, esconde onde guarda R$ 5,3 milhões em dinheiro vivo. “Não vou dizer onde eu guardo, por uma questão de segurança. Mas esse dinheiro existe e a origem é o meu trabalho.”

Juraci afirmou que não investe esse dinheiro porque “toda hora precisa de alguma coisa”. Ele é alvo de ações na Justiça, como cobrança por dívidas tributárias e uma ação penal, acusado de lavagem de dinheiro e grilagem de terras e suspeito de ocultar patrimônio por meio de laranjas. Disse já ter provado sua inocência.

O deputado estadual de Mato Grosso Gilmar Fabris (PSD) declarou ter R$ 4,5 milhões em espécie. No ano passado, ele foi preso depois de ter sido delatado pelo ex-governador Silval Barbosa (MDB). Fabris nega vínculos com o esquema de corrupção.

'Jeca'. Candidato a deputado estadual pelo MDB mineiro, o ex-prefeito de Ipatinga Sebastião Quintão tem R$ 3,5 milhões em espécie. “Tenho 74 anos, comecei a trabalhar com 7. Sou jeca, trabalho 16 horas sem ser registrado e sem gastar, se eu não tivesse alguma coisa, seria muito ordinário.”

Quarto com mais dinheiro vivo, o ex-prefeito de Palmas Carlos Amastha, candidato do PSB ao governo do Tocantins, disse não ter mais os R$ 3,4 milhões declarados – parte já foi aplicada na própria campanha. Já Paco Britto (Avante), candidato a vice-governador do Distrito Federal, tem R$ 2,4 milhões em espécie. “Esse dinheiro é da venda de bens meus, bens já declarados legalmente.” / COLABORARAM CAMILA TURTELLI, FABIO SERAPIÃO, THIAGO FARIA e ANA BEATRIZ ASSAM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.