Candidatos de Salvador voltam à campanha de rua

Os candidatos à prefeitura de Salvador (BA), João Henrique Carneiro (PMDB) e Walter Pinheiro (PT), voltaram, na tarde de hoje, a fazer campanha de rua. Carneiro fez uma caminhada pelo bairro periférico de São Caetano. Pinheiro, pelas ruas de Alto de Coutos. Os dois têm sido pressionados a terminar a série de ataques mútuos que marcaram o primeiro turno da eleição. Os apelos têm vindo dos governos federal e estadual, encabeçado pelo governador Jaques Wagner (PT). Nos dois casos, o PMDB é o principal partido da base aliada do executivo. Até autoridades religiosas, como o arcebispo primaz do Brasil, Geraldo Majella Agnelo, pediu que as acusações sejam esquecidas. "Eu espero que deixem de lado as farpas e proponham o que vão fazer, enfim, pela cidade", disse o religioso, pouco depois de uma reunião que teve com Carneiro.Hoje, o peemedebista afirmou que a "campanha propositiva" tende a ser melhor para sua candidatura. "Antes, tínhamos quatro adversários atacando nossa administração", conta, referindo-se ao primeiro turno. "Passávamos muito tempo da campanha nos defendendo. Agora, é um contra um - e vou ter mais tempo para apresentar à população o que já fizemos na cidade e o que ainda vamos fazer."Ontem, porém, Carneiro havia disparado duras críticas ao PT, ao lembrar da saída do partido da administração municipal para lançar candidatura própria. Os petistas, por sua vez, apesar de pregar o fim das acusações, armam-se para o início da propaganda eleitoral no segundo turno. A coordenação de campanha de Pinheiro entrou com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tentar proibir de vez que o peemedebista use a imagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em sua propaganda eleitoral, por exemplo. A decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) baiano nesse sentido, há duas semanas, causou o ápice da discórdia entre os partidos durante o primeiro turno. O PMDB recorreu.O governador Wagner voltou a pedir, hoje, maturidade para os partidos, mas admitiu que vai fazer campanha abertamente por Pinheiro. Por outro lado, minimizou a crise. "É uma artificialização de uma disputa eleitoral normal", afirma. "Estou muito mais preocupado em fazer a Bahia crescer do que com isso." ApoiosEspera-se que amanhã tanto o DEM, do candidato derrotado Antonio Carlos Magalhães Neto - ficou em terceiro no primeiro turno, com mais de 26% dos votos -, quanto o PR anunciem oficialmente suas posições no segundo turno de Salvador. A expectativa é que ambas as legendas integrem a campanha de Carneiro. PSDB e PPS, que formavam a candidatura de Antonio Imbassahy, quarto colocado no primeiro turno, com pouco mais de 8% dos votos, anunciaram apoio à candidatura de Pinheiro, que ainda negocia para atrair o PSOL, do candidato Hilton Coelho - ficou em quinto, com 3% dos votos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.