Candidatos de Salvador repudiam aumento para prefeito e vereador

ACM Neto afirma que irá rediscutir salários e Pelegrino diz que momento é inoportuno

João Domingos - Agência Estado,

26 de outubro de 2012 | 18h33

SALVADOR - Os dois candidatos que disputam o segundo turno para a prefeitura de Salvador condenaram o aumento de salários concedido pela Câmara Municipal ao novo prefeito e aos novos 43 vereadores que tomam posse em janeiro. "Vou rediscutir o assunto e propor que o salário do prefeito seja adequado à realidade econômica da prefeitura", disse ACM Neto, do DEM. "Acho que o momento foi inoportuno", disse Nelson Pelegrino, do PT.

O aumento do salário do prefeito e dos vereadores foi concedido na quarta-feira pela Câmara, véspera do segundo turno da disputa pela prefeitura de Salvador. O vencedor da eleição, seja ele ACM Neto ou Pelegrino receberá R$ 18.038,10 já a partir de janeiro, em vez dos atuais R$ 10,4 mil pagos hoje, um reajuste de 73,44%. Os vereadores terão os salários reajustados de R$ 10,4 mil para R$ 15.031,75 (44,52%).

O projeto com a proposta de aumento salarial para o prefeito e vereadores foi aprovado por unanimidade em regime de urgência urgentíssima, com os votos de parlamentares do DEM e do PT, cujos candidatos condenaram o reajuste.

Também foram contemplados com o aumento o vice-prefeito e os secretários municipais, que terão os mesmos vencimentos dos vereadores. Para votar o aumento, os vereadores argumentaram que os salários deles, em cidades com mais de 500 mil habitantes, devem ser de 75% dos vencimentos dos deputados estaduais, que na Bahia recebem R$ 20.042,34. A Câmara Municipal de Salvador terá 43 vereadores a partir do ano que vem, dois a mais do que atual legislatura.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012ACM NetoPelegrino

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.