Candidatos de Curitiba prometem políticas para crianças

Quatro dos oito candidatos à prefeitura de Curitiba, além do representante de um quinto, assinaram hoje uma carta em que se comprometem a ter como prioridade as políticas públicas a favor das crianças, particularmente nos setores de educação e saúde, e das gestantes, além do "compromisso inegociável com a honestidade na vida pública". "Queremos uma atuação política honesta para melhorar o acesso, a humanização e a qualidade dos serviços públicos", afirmou a coordenadora nacional da Pastoral da Criança, em Curitiba, irmã Vera Lucia Altoé.Diante de cerca de 70 pessoas, a maioria voluntárias da pastoral, o candidato Maurício Furtado (PV) chegou a chorar. "Acho um absurdo que tenhamos que buscar compromisso em situações tão elementares", disse. "Precisamos começar a reagir, tem que cobrar das instituições públicas que cumpram suas responsabilidades." Para não perder a oportunidade de campanha, Furtado fez críticas à atual administração, do candidato à reeleição pela coligação "Curitiba - O Trabalho Continua" (PSDB-PP-PSL-PDT-DEM-PSB-PPS-PR-PSDC-PRP-PTN), Beto Richa, que mandou apenas um representante. Candidato do PMDB, Carlos Moreira também fez suas críticas. "Curitiba tem secretaria da doença, precisa de uma secretaria da saúde", afirmou. "Gasta-se menos de um por cento do orçamento em promoção da saúde." Na mesma linha crítica, a candidata da coligação "Curitiba Para Todos" (PTC-PHS-PMN-PRB-PT-PSC), Gleisi Hoffmann, fez uma referência à ausência do prefeito. "A importância está onde os pés pisam, por isso era importante estar aqui hoje", disse. Segundo ela, a capital paranaense investe pouco em educação infantil. "É por falta de compromisso político e não por falta de recursos", afirmou. Já o candidato do PCdoB, Ricardo Gomyde, preferiu destacar suas propostas de zerar as filas nas creches, investir mais em educação e apoiar integralmente a juventude. EducaçãoO representante de Richa, Carlos Homero Jacomide, afirmou que a administração municipal investiu 26% do orçamento em educação no ano passado e deve chegar a 27% este ano. "Nós reconhecemos o que falta na cidade, mas também temos que reconhecer que se avançou", disse. Ele afirmou que não havia necessidade de defender o candidato à reeleição no encontro. "A população está defendendo." Os candidatos Fábio Camargo, da coligação "Uma Só Curitiba" (PTB-PRTB); Bruno Meirinho, da "Frente de Esquerda Curitiba" (PSOL-PCB-PSTU); e Lauro Rodrigues (PT do B) não compareceram ao evento, na sede da Pastoral da Criança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.