Candidatos barrados em debate se dizem injustiçados

Os candidatos à Prefeitura de São Paulo Ciro Moura (PTC), Ivan Valente (PSOL) e Renato Reichmann (PMN), que não assinaram acordo com a TV Globo trocando a presença no debate que aconteceria quinta-feira por participação em outros programas da emissora, alegam que estão sendo injustiçados por serem responsabilizados pelo cancelamento do debate. A Globo queria convidar apenas os cinco candidatos mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto. Nesse caso, a legislação eleitoral prevê que a emissora entre em acordo com todos.Para Ivan Valente, da coligação "Alternativa de Esquerda para São Paulo" (PSOL-PSTU), ao tentar excluir do debate a participação de candidaturas garantida por lei, a TV Globo presta um desserviço ao povo de São Paulo. Ele afirmou que sempre recusou qualquer forma de compensação. "Entendemos (a compensação) como antidemocrática e reafirmarmos a importância da igualdade de espaço numa disputa eleitoral", alegou, em nota.O candidato do PMN, Renato Reichmann, lembrou que participou dos debates promovidos este ano pela TV Bandeirantes e pela TV Record. "Isso demonstra que é perfeitamente possível efetuar-se o evento com esse número de participantes. O PMN lamenta que a TV Globo tente passar à população em geral a pecha de ''desmancha-prazeres'' aos partidos que se recusaram ao acordo."O candidato da coligação "Tostão contra o Milhão" (PTC-PTdoB), Ciro Moura (PTC), afirmou que sente muito que o debate tenha sido cancelado e, assim como os outros candidatos, reiterou que gostaria muito de fazer parte do evento. "Eu tenho um minuto da TV, imagine como aproveitaria o tempo do debate", disse.CampanhaNa última semana de campanha eleitoral, Ivan Valente distribuiu panfletos na tarde de hoje no bairro da Liberdade, na região central da capital paulista. Levy Fidelix (PRTB) e Ciro Moura gravaram o programa final para a propaganda eleitoral gratuita na televisão. Já Soninha Francine (PPS) almoçou no bandejão do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), na Cidade Universitária, da Universidade de São Paulo (USP), e participou do ciclo de debates A Engenharia e a Cidade, a convite do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo, e de reunião com o Grupo de Apoio e Prevenção à Aids (Gapa) e outras organizações não-governamentais (ONGs) do setor.Paulo Maluf (PP) fez carreta nos bairros de Rio Pequeno, na zona oeste, e Santo Amaro, na zona sul da cidade. Os candidatos Anaí Caproni (PCO), Edmilson Costa (PCB) e Reichmann não tiveram agenda pública de campanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.